Meteorologia

  • 19 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 13º MÁX 21º

Mahmud Abbas agradece a Sánchez reconhecimento da Palestina

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, indicou hoje que o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, lhe agradeceu, numa conversa telefónica, que o Governo de Espanha vá reconhecer o Estado da Palestina a 28 de maio.

Mahmud Abbas agradece a Sánchez reconhecimento da Palestina
Notícias ao Minuto

20:26 - 22/05/24 por Lusa

Mundo Médio Oriente

"Com este importante passo, queremos contribuir para relançar um processo político que ponha fim à violência e traga um futuro de segurança e prosperidade ao Médio Oriente", acrescentou Sánchez, na sua conta da rede social X (antigo Twitter).

Pedro Sánchez anunciou na sua comparência hoje no Congresso dos Deputados que o Conselho de Ministros espanhol vai aprovar o reconhecimento da Palestina como Estado por Espanha no próximo dia 28 de maio, numa ação coordenada com a Irlanda e a Noruega.

Num comunicado hoje divulgado, Mahmud Abbas, já se tinha congratulado com o reconhecimento do Estado palestiniano por Espanha, Irlanda e Noruega, uma decisão que considera contribui para "a consagração do direito do povo palestiniano à autodeterminação na sua terra".

Contribui também "para a adoção de medidas reais de apoio à concretização da solução de dois Estados", acrescentou.

O anúncio hoje feito por Espanha, Irlanda e Noruega de que vão reconhecer o Estado da Palestina a 28 de maio ocorre em plena guerra entre Israel e o grupo islamita palestiniano Hamas na Faixa de Gaza, em curso há mais de sete meses.

O Hamas controla Gaza desde 2007, depois de ter expulsado do território o partido Fatah, de Abbas, que governa a Cisjordânia.

Para Abbas, a decisão hoje anunciada "é um contributo dos países que acreditam que a solução dos dois Estados é uma opção que representa a vontade e a legitimidade internacional".

"É consistente com os princípios do Direito Internacional, que reconhece o direito dos povos a libertarem-se do colonialismo e da opressão e a viverem em liberdade, justiça e independência", defendeu, segundo a agência noticiosa palestiniana WAFA.

O secretário-geral da Organização de Libertação da Palestina (OLP), Hussein al-Sheikh, também considerou tratar-se de "um momento histórico, após longas décadas de luta nacional palestiniana, sofrimento, dor, ocupação, racismo, assassínio, opressão, abuso e destruição".

"Agradecemos aos países do mundo que reconheceram e reconhecerão o Estado independente da Palestina. Afirmamos que este é o caminho para a estabilidade, a segurança e a paz na região", afirmou.

Fundada em 1964 e liderada por Yasser Arafat de 1968 até à sua morte, em 2004, a OLP agregou diferentes movimentos palestinianos, incluindo o partido Fatah, do próprio Arafat.

Na sequência do acordo de paz israelo-palestiniano de 1993, foi criada a Autoridade Nacional Palestiniana, com sede em Rammallah, na Cisjordânia.

Mahmud Abbas, atualmente com 89 anos, é presidente da Autoridade Palestiniana desde janeiro de 2005, depois de um breve período em que o cargo foi exercido interinamente por Rawhi Fattuh, após a morte de Arafat, em novembro do ano anterior.

O anúncio de hoje significa que a Palestina passará a ser reconhecida por 11 Estados-membros da União Europeia, dado que Espanha e Irlanda se juntarão a Bulgária, Chipre, República Checa, Hungria, Malta, Polónia, Roménia, Suécia e Eslováquia.

Nas Nações Unidas, já reconheceram unilateralmente o Estado da Palestina 137 dos 193 membros da organização, de acordo com a Autoridade Nacional Palestiniana.

Leia Também: Palestina como Estado? "Não é este o momento adequado. Quando for, será"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório