Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 20º

Nova coligação quer a "mais rigorosa" política de asilo nos Países Baixos

O líder da extrema-direita dos Países Baixos, Geert Wilders, defendeu hoje o objetivo de aplicar a "mais rigorosa" política de asilo de sempre no país, ressalvando que derrogaro as regras de asilo da UE pode demorar anos.

Nova coligação quer a "mais rigorosa" política de asilo nos Países Baixos
Notícias ao Minuto

15:56 - 16/05/24 por Lusa

Mundo Países Baixos

Em declarações à agência noticiosa France Presse após o acordo alcançado para uma coligação, seis meses após o seu pertido ter vencido as eleições, Wilders informou sobre a tentativa para obter "aquilo a que se chama uma derrogação para o asilo, como fizeram os dinamarqueses", ou seja, um acordo de exclusão das políticas comuns de asilo.

"Se conseguirmos, poderá demorar anos", assumiu o responsável, acrescentando que, a curto prazo, a coligação procurará utilizar a legislação holandesa para limitar o que apelidou de "afluxo de requerentes de asilo" aos Países Baixos.

"O que temos hoje no nosso acordo é, de facto, a [política] anti-asilo mais rigorosa alguma vez implementada nos Países Baixos", assumiu.

O porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer, manifestou já reservas, referindo que "não se pode derrogar a legislação europeia". "Estamos a trabalhar com base nos tratados e na legislação existentes", afirmou.

Esta manhã, após uma maratona de negociações, os líderes de quatro partidos apresentaram um acordo que define a política a seguir nos próximos anos, mas ainda não se conhece quem será o primeiro-ministro da quinta maior economia da União Europeia (UE).

Os signatários do acordo intitulado "Esperança, Coragem e Orgulho" também concordaram em considerar a transferência da embaixada holandesa de Telavive para Jerusalém, como desejam as autoridades israelitas que transferiram para esta cidade a sua capital.

Trata-se de um assunto ainda mais sensível devido ao conflito em curso na Faixa de Gaza e evitado pela maioria dos governos.

"Tendo em consideração as soluções para o conflito israelo-palestiniano e os interesses diplomáticos, analisaremos quando é que a embaixada poderá ser transferida para Jerusalém, no momento oportuno", lê-se no documento de 26 páginas.

Quanto à política externo, a coligação garantiu que será um "parceiro construtivo" no seio dos 27 e apoiará a Ucrânia "política, militar, financeira e moralmente".

O acordo também garante que os Países Baixos continuarão a "aderir aos acordos existentes" em matéria de clima, mas avisa que se não forem atingidos os objetivos, haverá "políticas alternativas".

O acordo foi alcançado entre o Partido para a Liberdade (PVV) de Geert Wilders, o partido pró-agrícola BBB, o partido liberal VVD e o novo partido anti-corrupção NSC.

Em março, os quatro partidos tinham concordado em optar por um governo parcialmente tecnocrático, composto por 50% de políticos e 50% de não políticos.

Frans Timmermans, líder da oposição e membro da aliança entre os Verdes e a Esquerda, considerou hoje como um "dia preocupante".

"Temos agora um partido de direita radical sob a liderança de Wilders que se encontra no centro do poder nos Países Baixos", afirmou.

Já Wilders classificou como histórico o facto de o seu partido estar agora "no centro do poder" e garantiu que "o sol voltará a brilhar nos Países Baixos".

Leia Também: Alcançado acordo para Governo de coligação nos Países Baixos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório