Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 20º

Bolsonaro na embaixada? Supremo não vê indícios de tentativa de fuga

Em causa está a polémica estadia do ex-presidente brasileiro na embaixada da Hungria logo depois de serem feitas buscas à sua casa, em fevereiro.

Bolsonaro na embaixada? Supremo não vê indícios de tentativa de fuga
Notícias ao Minuto

19:58 - 24/04/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Brasil

O juiz Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro, afirmou, esta quarta-feira, que não há elementos concretos que indiquem que o ex-presidente Jair Bolsonaro procurava asilo diplomático para, posteriormente, fugir do país, quando passou dois dias na embaixada da Hungria. 

Em causa está a polémica estadia do ex-presidente brasileiro na embaixada da Hungria logo depois de serem feitas buscas à sua casa, em fevereiro.

A ação visava apurar se Bolsonaro, investigado em vários inquéritos no STF, teria incumprido medidas cautelares, como a proibição de deixar o país. Moraes entendeu que não e arquivou a ação, mantendo as medidas cautelares impostas ao ex-presidente do Brasil.

"Não há elementos concretos que indiquem – efetivamente – que o investigado pretendia a obtenção de asilo diplomático para evadir-se do país e, consequentemente, prejudicar a investigação criminal em andamento", escreveu.

Em fevereiro, Bolsonaro passou duas noites na Embaixada da Hungria após ter o seu passaporte apreendido, segundo revelou o jornal americano The New York Times. A pernoita ocorreu logo após a sua casa ter sido alvo de buscas numa operação que investigava a organização responsável por uma tentativa de golpe de Estado para mantê-lo na Presidência após a derrota nas eleições de 2022.

Na prática, pelo direito internacional, como as embaixadas são áreas invioláveis, Bolsonaro só poderia ser detido numa nova operação, com o consentimento do governo húngaro.

Na altura da divulgação dos vídeos, Bolsonaro justificou que tem uma relação de amizade com a Hungria e, particularmente, com o embaixador, e que foi para a embaixada conversar sobre assuntos geopolíticos.

Leia Também: "É crime dormir na embaixada?". Bolsonaro tem 48 horas para explicar

Recomendados para si

;
Campo obrigatório