Meteorologia

  • 19 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 12º MÁX 21º

Irão rejeita e condena pedido da Argentina para deter ministro iraniano

O Irão condenou hoje o pedido do Governo argentino para deter o ministro do Interior iraniano, Ahmad Vahidi, por alegado envolvimento no atentado bombista de 1994 à sede da Associação Mutual Israelita-Argentina em Buenos Aires, que fez 85 mortos.

Irão rejeita e condena pedido da Argentina para deter ministro iraniano
Notícias ao Minuto

16:45 - 24/04/24 por Lusa

Mundo Ahmad Vahidi

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), Naser Kanani, condenou num comunicado "a repetição de pedidos ilegais assentes em mentiras e histórias de alguns juízes argentinos sobre cidadãos iranianos".

O diplomata reiterou que as acusações formuladas no caso da Associação Mutual Israelita-Argentina (AMIA) contra cidadãos iranianos "não têm qualquer validade" e considerou que os "pedidos deste tipo junto das autoridades judiciais de outros países não têm qualquer estatuto legal nem validade".

O porta-voz do MNE iraniano aconselhou ainda as autoridades argentinas a evitarem fazer acusações infundadas a cidadãos de outros países e a não se deixarem influenciar por inimigos das relações bilaterais entre o Irão e a Argentina.

A Argentina instou na terça-feira à detenção de Vahidi aos Governos do Paquistão e do Sri Lanka, países onde o ministro iraniano se encontra de visita, por considerá-lo um dos responsáveis pelo ataque terrorista de 1994.

"Aproveitando a sua viagem, a Argentina pediu aos Governos do Paquistão e do Sri Lanka para procederem à sua detenção, de acordo com os mecanismos previstos pela Interpol", disse o Ministério da Segurança argentino num comunicado.

Tanto a comunidade judaica na Argentina como a Justiça responsabilizam pelo ataque de 1994 à AMIA -- o maior atentado cometido em território argentino -- membros do Governo iraniano da altura e do movimento xiita libanês Hezbollah.

O Irão rejeitou qualquer envolvimento no ataque e atribuiu as acusações a "planos dos inimigos da República Islâmica do Irão, especialmente do regime sionista (Israel)".

Leia Também: Argentina pede ao Paquistão e Sri Lanka que prendam ministro iraniano

Recomendados para si

;
Campo obrigatório