Meteorologia

  • 26 MAIO 2024
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 23º

Von der Leyen alerta que Rússia é "ameaça existencial também para Europa"

A presidente da Comissão Europeia defendeu hoje que a Rússia representa "uma ameaça existencial não só para a Ucrânia, mas também para a Europa" e alertou que uma vitória russa na Ucrânia "mudaria o curso da História europeia".

Von der Leyen alerta que Rússia é "ameaça existencial também para Europa"
Notícias ao Minuto

10:53 - 24/04/24 por Lusa

Mundo UE

Ursula Von der Leyen intervinha numa cerimónia festiva no Parlamento Europeu, na cidade francesa de Estrasburgo, para assinalar o 20.º aniversário do maior alargamento da história da União Europeia, concretizado a 01 de maio de 2004 com a entrada em simultâneo no bloco de 10 novos Estados-membros.

Saudando o grande alargamento de há 20 anos e considerando que "é natural que se aguarde com expectativa novos alargamentos", a presidente do executivo comunitário considerou, contudo, ser seu "dever transmitir hoje uma mensagem muito clara sobre o futuro" da União Europeia (UE), à luz da guerra em curso na Ucrânia iniciada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, há mais de dois anos.

"O que acontecer na Ucrânia irá moldar o futuro da nossa União para sempre. Não podemos ignorar e não podemos subestimar o facto de a Rússia representar uma ameaça existencial não só para a Ucrânia, mas também para a Europa. Uma vitória de [Vladimir] Putin não só mudaria o mapa, não só mascararia o rosto da nação ucraniana, como mudaria o curso da história europeia. A nossa União nunca mais seria a mesma", declarou.

Observando que "a Ucrânia está a carregar esse pesado fardo nos ombros" por toda a Europa e "está a pagar o preço mais alto todos os dias por isso", Von der Leyen defendeu que "só há uma maneira de enfrentar" a atual situação, pois "só há uma linguagem que Putin entende, e essa é dotar a Ucrânia de meios para se defender".

"Putin acreditava que nós não defenderíamos a democracia e a independência da Ucrânia. Estava enganado. Putin acreditava que o apoio militar dos Estados Unidos não passaria no Congresso norte-americano. Enganou-se, mais uma vez. A assistência militar dos Estados Unidos e a nossa assistência, da União Europeia, é um incentivo para fazermos ainda mais. E temos de ser muito claros a este respeito. Porque para que a Europa vença no futuro, tal como aconteceu há 20 anos, a Ucrânia tem de vencer", afirmou.

Enfatizando que "a Ucrânia fez a sua escolha europeia" ao candidatar-se à adesão ao bloco comunitário, Von der Leyen disse que também a UE fez a sua "escolha ucraniana", ao lançar o processo para a adesão, tal como fez uma escolha "há tantos anos" quando decidiu acolher "tantos países".

"E as decisões que tomaremos nas próximas semanas, meses e anos decidirão quem ganhará o futuro da Europa. Por isso, juntos, vamos manter-nos unidos. Mantenhamo-nos fortes em relação à Ucrânia. E mantenhamo-nos ambiciosos no que respeita ao alargamento e às reformas. É assim que cumpriremos mais uma vez a promessa europeia, tal como fizemos há 20 anos", concluiu.

Leia Também: Von der Leyen diz que UE está mais forte do que em 2019

Recomendados para si

;
Campo obrigatório