Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 20º

Diretor de empresa de media admite ter publicado artigos a favor de Trump

David Pecker, ex-director executivo da American Media Inc. (AMI), empresa de comunicação social que publica o tabloide National Enquirer, admitiu hoje que publicava artigos para favorecer Donald Trump durante a campanha eleitoral de 2016.

Diretor de empresa de media admite ter publicado artigos a favor de Trump
Notícias ao Minuto

22:51 - 23/04/24 por Lusa

Mundo David Pecker

O responsável editorial falava na qualidade de testemunha durante o julgamento do ex-Presidente norte-americano, em Nova Iorque.

Pecker, Trump e o então advogado do magnata, Michael Cohen, tiveram uma reunião em agosto de 2015, na qual chegaram a um acordo para que o diretor comprasse qualquer história que pudesse prejudicar a sua imagem durante a campanha eleitoral ou publicasse artigos para o favorecer frente a outros candidatos, como o republicano Ted Cruz ou a democrata Hillary Clinton.

"Michael Cohen chamava-me e dizia: Gostávamos que publicasses um artigo negativo sobre Ted Cruz", disse Pecker, durante o testemunho, numa alusão ao então candidato presidencial republicano e senador pelo Texas.

Relativamente a Clinton, afirmou que Trump se mostrou "satisfeito" quando sugeriu publicar histórias negativas sobre a candidata presidencial democrata, acrescentando que este tipo de artigos era "muito vendável" no jornal.

Pecker indicou que o acordo que firmaram com Trump não foi colocado por escrito porque foi feito "entre amigos".

"Creio que foi mutuamente benéfico. Ajudava a campanha e também me ajudava a mim", admitiu, segundo a cadeia CNN.

Pecker explicou que o editor em chefe do tabloide, Dylan Howard, o informou em junho de 2016 da história da modelo da Playboy Karen McDougal, que alegadamente teria mantido uma relação extraconjungal com Trump, e à qual pagou cerca de 150.000 dólares pelo silêncio.

A reação de Cohen, ao inteirar-se, foi assegurar que o relato era "absolutamente falso".

O ex-diretor executivo da AMI relatou que de cada vez que Cohen o chamava para falar sobre McDougal -- muitas vezes ligava duas vezes por dia -- parecia "mais ansioso", como se estivesse sob pressão.

Explicou que o jornal decidiu comprar a história de Dino Sajudin, ex-porteiro da Organização Trump que afirmava que o magnata tinha tido um filho fora do casamento, porque "teria sido muito embaraçoso" que saísse à luz em plena campanha eleitoral, apesar de saber que a história era "mil por cento falsa".

O acordo de confidencialidade garantia que essa história não se filtrasse. "Pagando os 30.000 dólares, tinhas o exclusivo completo e a opção de publicar ou não o artigo", indicou.

Pecker afirmou ainda que reteve a publicação desta história até depois das eleições presidenciais de 2016, a pedido de Cohen.

Leia Também: Advogados de Trump e Nova Iorque resolvem diferenças sobre caução

Recomendados para si

;
Campo obrigatório