Meteorologia

  • 19 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 12º MÁX 21º

Reaberto caso de espionagem de Sánchez e três ministros com Pegasus

A justiça espanhola reabriu o caso da espionagem do telemóvel do líder do Governo, Pedro Sánchez, e mais três ministros com o programa informático Pegasus, depois de ter recebido novos dados das autoridades de França, foi hoje anunciado oficialmente.

Reaberto caso de espionagem de Sánchez e três ministros com Pegasus
Notícias ao Minuto

16:38 - 23/04/24 por Lusa

Mundo Espanha

Segundo um comunicado da Audiência Nacional espanhola, o caso foi reaberto na sequência de um pedido de colaboração por parte da justiça francesa, através da emissão de uma Decisão Europeia de Investigação (DEI).

Esse pedido inclui dados relativos a uma investigação de 2021 relacionada com "múltiplas infeções [com o Pegasus] de telefones de jornalistas, advogados, personalidades públicas e associações governamentais e não governamentais, assim como membros do governo francês, ministros e deputados", lê-se no comunicado.

O juiz que em Espanha tutela o caso considera que as informações fornecidas por França podem "permitir avançar nas investigações" e vai avançar com novas diligências.

"Tudo isso permitirá uma atuação conjunta e coordenada das autoridades judiciais francesas e espanholas com vista a determinar a autoria da infeção levada a cabo através do programa de espionagem Pegasus tanto em França como em Espanha", determinou o juiz, citado no comunicado divulgado hoje.

O programa Pegasus, desenvolvido e comercializado pela empresa israelita NSO, já foi usado para espionagem de mais de mil pessoas em 50 países, incluindo ativistas e jornalistas, de acordo com peritos da área da segurança e uma investigação jornalística de meios de comunicação social de vários países de 2021.

Em França, o Presidente do país, Emmanuel Macron, e vários ministros foram espiados com o Pegasus.

Em Espanha, o Governo revelou em maio de 2022 que o primeiro-ministro, Pedro Sánchez, a ministra da Defesa, Margarita Robles, o ministro da Administração Interna, Fernando Grande-Marlaska, e o ministro da Agricultura, Luis Planas, tinham sido espiados pelo mesmo 'software', num "ataque externo" cujo perpetrador permanece desconhecido.

A justiça espanhola investigou quase durante um ano este caso, antes de determinar o arquivamento pela falta de cooperação de Israel.

Segundo o comunicado de hoje, as autoridades francesas pediram informações à empresa NSO e dirigiram pedidos de cooperação judicial a Israel e aos Estados Unidos.

Além do caso que envolve os membros do Governo, há um outro em Espanha, ainda em investigação, relacionado com separatistas catalães espiados com o Pegasus.

A espionagem de 18 políticos catalães independentistas, com autorização judicial, foi confirmada pela anterior chefe dos serviços secretos espanhóis, Paz Esteban, demitida do cargo pelo Governo em 2022.

Em dezembro, o parlamento espanhol aprovou a constituição de uma comissão de inquérito sobre a espionagem com o Pegasus, fruto dos acordos dos socialistas com partidos independentistas para a viabilização do último Governo de Pedro Sánchez.

Leia Também: Plataforma do Conselho da Europa pede fim de uso do 'spyware' Pegasus

Recomendados para si

;
Campo obrigatório