Meteorologia

  • 19 MAIO 2024
Tempo
20º
MIN 12º MÁX 21º

Bebé retirada viva de ventre da mãe que foi morta em ataque aéreo em Gaza

A mulher grávida, Sabreen Al-Sheikh, perdeu a vida juntamente com o seu marido Shokri e a sua filha Malak.

Bebé retirada viva de ventre da mãe que foi morta em ataque aéreo em Gaza

Uma recém-nascida palestiniana foi salva do ventre da mãe, que foi morta num dos ataques aéreos israelitas durante a noite de sábado contra a cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, que matou 13 pessoas, incluindo nove crianças.

A mulher grávida, Sabreen Al-Sheikh, perdeu a vida juntamente com o seu marido Shokri e a sua filha Malak.

O Hospital do Kuwait, que recebeu os corpos, revelou que a equipa médica conseguiu salvar a bebé, de acordo com a agência norte-americana Associated Press (AP).

A criança encontra-se atualmente numa incubadora no hospital Al-Emirati, em Rafah, conforme se pode ver na imagem.

Rafah, onde mais de metade da população de Gaza, 2,3 milhões de habitantes, procurou refúgio dos combates noutros locais, tem sido alvo de ataques aéreos diários.

De recordar que a guerra entre Israel e o Hamas provocou mais de 34.000 mortos em Gaza, segundo as autoridades sanitárias locais, devastou as duas maiores cidades do território e deixou uma faixa de destruição de norte a sul.

Cerca de 80% da população fugiu de casa para outras zonas do enclave costeiro sitiado, cuja população, segundo os peritos, está à beira da fome.

Israel culpa o Hamas pelas mortes de civis, porque os militantes combatem em bairros residenciais densos, mas os militares raramente comentam os ataques individuais, que muitas vezes matam mulheres e crianças.

Os militares israelitas afirmam que mataram mais de 13.000 combatentes do Hamas, sem fornecer provas.

O conflito, agora no sétimo mês, provocou uma agitação regional que opõe Israel e os Estados Unidos ao Irão e a grupos militantes aliados em todo o Médio Oriente.

A guerra em curso foi desencadeada por um ataque sem precedentes do Hamas no sul de Israel, em 7 de outubro de 2023, que fez cerca de 1.200 mortos e 250 reféns.

Israel afirma que os militantes ainda mantêm cerca de 100 reféns e os restos mortais de mais de 30.

Leia Também: Autoridades recuperam 50 corpos de vala comum em Khan Younis

Recomendados para si

;
Campo obrigatório