Meteorologia

  • 28 MAIO 2024
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 28º

Três diplomatas franceses declarados 'persona non grata' no Burkina Faso

Três diplomatas franceses, incluindo dois conselheiros políticos da embaixada em Ouagadougou, foram declarados 'persona non grata' por "atividades subversivas" e convidados a abandonar o Burkina Faso, num novo sinal da elevada tensão entre os dois países.

Três diplomatas franceses declarados 'persona non grata' no Burkina Faso
Notícias ao Minuto

11:07 - 18/04/24 por Lusa

Mundo Burkina Faso

Os três diplomatas "foram declarados 'persona non grata' no território do Burkina Faso por atividades subversivas", escreveu o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Burkina Faso numa nota enviada à embaixada francesa em Ouagadougou, cuja cópia foi hoje consultada pela AFP.

Os três diplomatas "são convidados a abandonar o território do Burkina Faso nas próximas 48 horas", refere-se na nota datada de terça-feira.

Os três diplomatas são Gwenaëlle Habouzit, Hervé Fournier e Guillaume Reisacher, segundo o ministério do Burkina Faso.

Em 01 de dezembro, quatro funcionários públicos franceses - agentes dos serviços secretos, segundo as autoridades do Burkina Faso, e técnicos de manutenção informática, segundo uma fonte diplomática francesa - foram detidos em Uagadugu, acusados duas semanas mais tarde e presos, segundo a fonte francesa.

Encontram-se atualmente em prisão domiciliária, de acordo com fontes de segurança do Burkina Faso.

Um ano antes, em dezembro de 2022, o Governo do Burkina Faso tinha expulsado dois cidadãos franceses que trabalhavam para uma empresa do Burkina Faso, suspeitos pelas autoridades de serem espiões.

As relações entre a França e o Burkina Faso só se deterioraram desde a chegada ao poder do capitão Ibrahim Traoré, em setembro de 2022, através de um golpe de Estado - o segundo em oito meses.

Poucos meses após a sua chegada ao poder, Ouagadougou denunciou, em março de 2023, um acordo militar de 1961 com a França, após ter obtido a retirada das forças francesas. O embaixador francês em Uagadugu, chamado após o golpe, não foi substituído desde então.

O Burkina Faso suspendeu igualmente vários meios de comunicação social franceses, incluindo o Le Monde, a Radio France Internationale, a France 24, a Jeune Afrique e a LCI.

No âmbito do esforço para diversificar as suas parcerias, o Burkina Faso estreitou laços com a Rússia.

O regime militar do Burkina Faso estreitou igualmente os laços com os seus dois vizinhos, o Mali e o Níger, igualmente governados por chefes militares saídos de golpes de Estado em 2020 e 2023, que também decidiram cortar os laços com a antiga potência colonial francesa e diversificar as suas parcerias, nomeadamente com Moscovo.

Há vários anos que os três países enfrentam ataques jihadistas recorrentes de grupos ligados à Al-Qaida e ao Estado Islâmico. Só no Burkina, causaram cerca de 20.000 mortos civis e militares e deslocaram cerca de dois milhões de pessoas desde 2015.

Estes países juntaram-se na Aliança dos Estados do Sahel (AES), que anunciou a intenção de criar uma força armada conjunta para combater os grupos extremistas islâmicos.

Por outro lado, abandonaram a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), acusada de ser subserviente à França e de não os apoiar na luta contra os extremistas.

Leia Também: Pelo menos 14 mortos num ataque a escola corânica no Mali

Recomendados para si

;
Campo obrigatório