Meteorologia

  • 23 MAIO 2024
Tempo
23º
MIN 12º MÁX 23º

Em Roma, bunker de Mussolini reabre ao público. Eis o interior

A construção começou em 1940 e é composto por metros de betão, assim como portas anti-gás ou um sistema de renovação de ar.

Notícias ao Minuto

08:16 - 17/04/24 por Teresa Banha

Mundo Itália

Um bunker construído para proteger Benito Mussolini reabriu ao público e ‘promete’ ser uma viagem inesquecível pelo local destinado a proteger um dos maiores fascistas europeus.

A estrutura construída abaixo de terra e composta por três locais fica localizada na Villa Torlonia, em Roma, e começou ‘nascer’ quando a Itália entrou para a Segunda Guerra Mundial, em 1940.

Uma das estruturas era, antes de passar a bunker, uma adega de vinhos. Um ano mais tarde, um abrigo aéreo foi também construído. As divisões eram revistadas com 120 centímetros de betão armado, tinham portas anti-gás e também sistemas de purificação e troca de ar.

Enquanto a guerra avançava, Mussolini quis ainda apostar numa estrutura, mais forte, que acabou por ficar por completar. Esta ficava localizada a seis metros de profundidade e, em forma de cruz, tinha corredores com 15 metros de comprimento e 2,5 metros de largura. As paredes eram reforçadas com quatro metros de betão e, apesar de ter começado a ser construída em 1942, não estava pronta quando o líder fascista foi detido, em 1943. Em falta estava o sistema de ventilação.

A estrutura abriu ao público pela primeira vez em 2006, mas acabou por fechar portas dois anos depois, abrindo pontualmente nos anos seguintes.

A última vez que a estrutura tinha sido aberta ao público foi em 2021 e agora começa novamente a receber visitantes, que podem aceder a uma exposição que foi colocada no local – e que dá especial atenção ao bombardeamento em San Lorenzo, onde se estima terem morrido cerca de três mil civis.

Quem visita o local poderá ainda ter uma experiência mais imersiva, com a recreação de um ataque aéreo.

As visitas só não podem ser realizadas ao sábado e, nos restantes dias, podem ser marcadas no site, que dá conta que a passagem pelo local dura 50 minutos.

Leia Também: Nelinha, a arquiteta que foi tecedeira na luta contra o fascismo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório