Meteorologia

  • 22 MAIO 2024
Tempo
21º
MIN 13º MÁX 21º

Sudão. Líder do grupo paramilitar RSF diz-se empenhado em cessar-fogo

O líder do grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido, Mohamed Hamdan Dagalo, afirmou hoje o seu empenhamento num cessar-fogo no Sudão, devastado por uma guerra civil, que começou há exatamente um ano.

Sudão. Líder do grupo paramilitar RSF diz-se empenhado em cessar-fogo
Notícias ao Minuto

16:24 - 15/04/24 por Lusa

Mundo Sudão

"Apesar do nosso controlo do Darfur (oeste), do estado de Al Gezira (leste), de partes do Kordofan (centro) e da maior parte do estado de Cartum, as Forças de Apoio Rápido [RSF, na sigla em inglês] reiteram a sua total disponibilidade para observar um cessar-fogo em todo o Sudão", disse Dagalo, num discurso para assinalar o aniversário de um ano do conflito com o exército.

O líder paramilitar, que já tinha apelado anteriormente a uma trégua face aos avanços militares do exército, nomeadamente em Cartum, afirmou que o cessar-fogo serviria para garantir o acesso humanitário à população sudanesa.

A guerra deslocou 8,5 milhões de pessoas, matou cerca de 15.000 civis e colocou 18 milhões de pessoas à beira da fome, enquanto outros 25 milhões dependem da ajuda humanitária, segundo dados das Nações Unidas (ONU).

No entanto, várias organizações, entre as quais a ONU, denunciaram que ambas as partes estão a utilizar a ajuda humanitária como arma de guerra, pois enquanto o exército impede a sua entrada nas zonas controladas pelas RSF, os paramilitares pilharam armazéns e privaram a população da pouca ajuda que chega.

Dagalo afirmou que uma eventual trégua abriria caminho a negociações políticas para se chegar a uma solução global que conduza ao estabelecimento de um Governo liderado por civis "para guiar o país no sentido de uma transição democrática e de uma paz duradoura".

"Embora continuemos empenhados na procura da paz e de uma solução política negociada, não hesitaremos em defender-nos e em confrontar o antigo regime e os seus elementos aliados", advertiu o líder paramilitar, cujas forças foram acusadas por várias organizações não-governamentais (ONG) de terem cometido crimes contra a humanidade durante o ano passado.

O líder insistiu que "a guerra nunca foi uma opção para as RSF" e que o grupo defende o estabelecimento de um "Governo civil democrático liderado por forças democráticas genuínas de todas as regiões do Sudão", indicando que os paramilitares apoiam "todas as iniciativas" de paz.

As RSF, juntamente com o exército, planearam conjuntamente um golpe de Estado em 2021 contra o Governo civil do Sudão, que surgiu após a queda do ditador islamista Omar al-Bashir, que governou o país durante três décadas, até 2019.

A guerra no Sudão eclodiu em 15 de abril de 2023 devido a tensões sobre a reforma do exército e a integração de paramilitares nas forças armadas, no meio de um processo político para colocar o país de novo no caminho da democracia após o golpe de 2021.

Leia Também: UE apela a cessar-fogo que acabe com "pior crise humanitária" do mundo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório