Meteorologia

  • 13 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 14º MÁX 25º

Líbano pede o fim da escalada de tensão entre Israel e o Irão

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Líbano pediu hoje o fim da escalada de tensão e violência regional e o cumprimento das resoluções internacionais para evitar "uma explosão em todo o Médio Oriente".

Líbano pede o fim da escalada de tensão entre Israel e o Irão
Notícias ao Minuto

10:46 - 15/04/24 por Lusa

Mundo Israel

"O Ministério apela, mais uma vez, ao fim da escalada, da ameaça de guerra e das represálias militares em todas as suas formas, assim como o retorno ao respeito das normas do direito internacional e às resoluções com legitimidade internacional como o único elemento dissuasor para evitar as consequências de uma explosão em todo o Médio Oriente", alertou num comunicado.

O ministério libanês alertou que a região está "à beira do abismo", lembrando ainda que a guerra na Faixa de Gaza -- entre Israel e o Hamas, que dura há mais de seis meses - não foi interrompida devido ao fracasso na implementação de uma resolução relevante do Conselho de Segurança da ONU.

"O regresso ao caminho político baseado na solução de dois Estados -- Israel e Palestina - e nas resoluções relevantes das Nações Unidas falhou", denunciou a ministério libanês na sua nota.

O Médio Oriente está envolvido numa escalada de tensão desde que o Irão lançou mais de 300 'drones' e mísseis contra Israel entre a noite de sábado e o domingo, em resposta ao atentado que há duas semanas matou 13 pessoas no consulado iraniano em Damasco, incluindo três generais da Guarda Revolucionária iraniana.

O Líbano lidera a lista dos países com maior risco de serem arrastados no caso de uma escalada entre o Irão e Israel, uma vez que o grupo xiita libanês Hezbollah -- um aliado próximo dos iranianos -- tem estado envolvido em intensos confrontos com o Estado hebreu desde outubro, quando teve início a guerra em Gaza.

Os confrontos, os piores desde a guerra travada entre o grupo xiita e Israel em 2006, deixaram mais de 150 mil deslocados em ambos os lados da fronteira e mais de 350 mortos, quase todos do lado libanês.

Hoje, o primeiro-ministro libanês, Najib Mikati, preside uma reunião consultiva em Beirute para abordar a delicada situação do país com os restantes membros do seu Governo.

Leia Também: Israel bombardeia leste do Líbano

Recomendados para si

;
Campo obrigatório