Meteorologia

  • 15 JUNHO 2024
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 22º

EUA "não querem submeter" adesão da Palestina ao Conselho de Segurança

A Rússia assegurou hoje que os Estados Unidos (EUA) não querem submeter a uma votação do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) a adesão da plena da Palestina à organização multilateral.

EUA "não querem submeter" adesão da Palestina ao Conselho de Segurança
Notícias ao Minuto

21:15 - 11/04/24 por Lusa

Mundo Diplomacia

"Os titulares desse dossiê, que são a Argélia e o grupo de países árabes, farão aquilo que decidirem. Sim, os Estados Unidos não querem submeter o tema ao Conselho de Segurança. Essa é a vontade deles e é assim que eles votarão. Deixe-os demonstrar ao mundo como eles atuam", disse o embaixador russo junto à ONU, Vasily Nebenzya, numa declaração a jornalistas na sede das Nações Unidas em Nova Iorque.

"Mas penso que a maioria dos Estados-membros gostaria que a resolução fosse submetida ao Conselho de Segurança. Já tivemos uma reunião do chamado 'comité de admissão', que não trouxe nada de novo em relação ao que aconteceu em 2011. E não creio que a reunião de hoje traga algo de novo também. Portanto, (...) agora cabe à Argélia e à Palestina e ao Grupo Árabe decidir o que farão a seguir", acrescentou Nebenzya.

O comité de admissão de novos membros da ONU voltou hoje a reunir-se a portas fechadas para discutir a questão palestiniana, depois de uma primeira ronda inconclusiva na segunda-feira.

Depois de anos de negociações fracassadas, os palestinianos recorreram às Nações Unidas para realizar o seu sonho de um Estado independente e de adesão plena à ONU.

A Palestina é considerada um "Estado observador" na ONU desde 2012, um estatuto que só partilha com o Vaticano, embora um ano antes tivesse solicitado a entrada como membro de pleno direito.

Em 2011, foi feito um pedido de adesão plena, mas permaneceu pendente porque o Conselho de Segurança não conseguiu chegar a um consenso para uma decisão formal.

Na ocasião, os Estados Unidos anunciaram que pretendiam usar o poder de veto se uma maioria de nove fosse alcançada, apesar de proclamarem apoio à "solução de dois Estados".

Esta semana, o vice-embaixador dos EUA na ONU, Robert Wood, admitiu aos jornalistas que a posição do seu país não mudou e que o reconhecimento total da Palestina é algo que deveria ser negociado bilateralmente entre Israel e os palestinianos, não na ONU, embora não tenha dito explicitamente que seu país usaria o veto se necessário.

Já o embaixador israelita junto à ONU, Gilad Erdan, falou em termos muito mais extremos, dizendo que o eventual reconhecimento da Palestina é "uma violação flagrante da Carta das Nações Unidas" e "perpetua o conflito".

Na semana passada, 120 Estados-membros das Nações Unidas - de um total de 193 - comprometeram-se a apoiar a adesão plena da Palestina à organização.

Os 120 países representam três grupos (árabe, muçulmano e não alinhado) e redigiram uma carta conjunta enviada às diferentes entidades da ONU que participam no processo: o secretário-geral, o Conselho de Segurança e a Assembleia-Geral.

Na missiva, os 120 signatários apoiam a retoma do processo iniciado em 2011 -- data em que a Palestina solicitou pela primeira vez a sua admissão à ONU -- e que o Conselho de Segurança proceda ao pedido junto da Assembleia-Geral.

Os Estados signatários lembram ainda que no mundo já existem 140 países que reconhecem o Estado da Palestina.

De acordo com os regulamentos da ONU, o Conselho de Segurança deve criar um comité, composto por todos os 15 membros, para estudar o pedido de admissão e redigir um relatório.

Caso não seja aprovado, o pedido segue para votação na Assembleia-Geral da ONU e é devolvido novamente ao Conselho de Segurança, para apreciação, escreveu hoje a agência noticiosa Efe.

Para o pedido ser aprovado, é preciso o voto favorável de nove dos 15 membros do Conselho de Segurança e nenhum veto dos membros permanentes.

Leia Também: Ministro ameaça com endurecimento das condições para presos palestinianos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório