Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 23º

Mais de 150 escolas estão temporariamente encerradas em Cabo Delgado

As incursões de rebeldes que desde 2017 assolam Cabo Delgado provocaram o encerramento temporário de 157 escolas de um total de 978 que existem na província, afirmou o diretor provincial de Educação.

Mais de 150 escolas estão temporariamente encerradas em Cabo Delgado
Notícias ao Minuto

21:21 - 04/03/24 por Lusa

Mundo Maputo

O distrito de Chiùre, assolado por uma nova vaga de ataques nas últimas semanas, tem o maior número de escolas encerradas (40), seguido por Macomia, com 35 instituições, avançou Ivaldo Quincardete, citado pela Rádio Moçambique.

"Neste momento, estão a funcionar 821 escolas. O distrito com maior enfoque, por enquanto, é Chiùre e nós acreditamos que muito brevemente essas escolas vão retomar ou grande parte delas poderá retomar", observou o diretor provincial de Educação.

A nova vaga de ataques em direção ao sul de Cabo Delgado obrigou milhares de pessoas a abandonarem as suas aldeias, principalmente em Chiùre, mas as autoridades avançam que há melhorias, com o número de deslocados a desder de 67 mil para 45 mil, segundo o primeiro-ministro moçambicano, Adriano Maleiane.

"Neste momento, a prioridade é acomodar as pessoas. É isso que está sendo feito. Estava a ser um exercício muito grande, numa assentada, receber as pessoas. Algumas pessoas estão em escolas outras em tendas, mas temos de dar alguma coisa para se alimentarem", declarou hoje à comunicação social, em Maputo, Adriano Maleiane.

Os populares que fugiram nesta nova vaga são sobretudo moradores de Mazeze, Chiúre-Velho, Mahipa, Alaca, Nacoja B e Nacussa, maioritariamente pontos do interior de Chiùre, onde milhares de pessoas abandonaram as respetivas aldeias percorrendo quilómetros ao longo da estrada Nacional 1 (N1) em direção à sede de Chiùre ou atravessando o rio Lúrio para o distrito de Eráti, na província Nampula, vizinha de Cabo Delgado.  

A província de Cabo Delgado enfrenta há seis anos uma insurgência armada com alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde julho de 2021, com o apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos de gás, mas surgiram novas vagas de ataques a sul da região.

O conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e cerca de 4.000 mortes, segundo o Projeto de Localização de Conflitos Armados e Dados de Eventos (ACLED, na sigla em inglês).

Leia Também: Moçambique. ACNUR disponível para ajudar Governo no apoio a deslocados

Recomendados para si

;
Campo obrigatório