Meteorologia

  • 21 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 20º

Irão prolonga pela terceira vez horário da votação das legislativas

As autoridades iranianas prolongaram hoje, pela terceira vez e por mais duas horas, o horário de votação nas eleições parlamentares dominadas pelos conservadores e num contexto de descontentamento popular que ameaça uma baixa participação.

Irão prolonga pela terceira vez horário da votação das legislativas
Notícias ao Minuto

18:55 - 01/03/24 por Lusa

Mundo Irão

Os eleitores poderão colocar os seus boletins nas assembleias de voto até às 24h00 (hora local, 23h00 em Lisboa) informou Moshen Eslami, porta-voz da Comissão eleitora do país, citado pela agência noticiosa Mehr.

Anteriormente as autoridades tinham prolongado o horário de fecho inicial das 18h00 para as 20h00, e mais tarde até às 22h00.

Cerca de 60.000 assembleias de voto abriram às 08h00 horas locais (04h30 em Lisboa) em todo o país, onde se espera que mais de 61 milhões de pessoas vão às urnas.

Cerca de 15.200 candidatos -- 1.713 dos quais mulheres - disputam os 290 lugares do Parlamento, enquanto 144 clérigos concorrem aos 88 lugares da Assembleia de Peritos, o órgão que elege o líder supremo da República Islâmica em caso de vacatura.

Este órgão é eleito de oito em oito anos e poderá desempenhar um papel decisivo nesta legislatura, uma vez que o líder supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei, já tem 84 anos.

As eleições são dominadas pelo bloco conservador, que dispõe atualmente de uma maioria parlamentar, após a desqualificação de numerosos candidatos reformistas, que puseram em causa a liberdade das eleições e, em alguns casos, apelaram ao boicote.

Khamenei foi o primeiro iraniano a votar, num ato transmitido pela televisão em que apelou novamente ao voto para "desiludir os inimigos" perante a aparente indiferença do eleitorado.

"Façam os nossos amigos felizes e desiludam os nossos inimigos. Por favor, votem", apelou o líder supremo iraniano.

No polo oposto, centenas de ativistas, políticos, estudantes e professores apelaram à abstenção nas urnas, incluindo a Prémio Nobel da Paz Narges Mohammadi, que vê o boicote como "uma obrigação moral para os iranianos amantes da liberdade e que procuram a justiça".

As sondagens apontam para uma taxa de participação entre 30% e 41%, em comparação com as eleições legislativas de 2020, em que 42% dos eleitores votaram, o nível mais baixo da história da República Islâmica, que sempre atribuiu grande importância a uma elevada taxa de participação eleitoral como prova da sua legitimidade e apoio popular.

Desta forma, estas eleições medem o nível de descontentamento da população com a República Islâmica, após a repressão policial dos protestos desencadeados pela morte, em 2022, da jovem Mahsa Amini, após ser detida por não usar corretamente o véu islâmico, e em que 500 manifestantes foram mortos em confrontos com as forças de segurança e oito outros foram enforcados.

Leia Também: Irão prolonga por mais duas horas horário da votação das legislativas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório