Meteorologia

  • 18 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 25º

Estava no corredor da morte por homicídio há 30 anos. Foi libertado

Daniel Gwynn foi condenado à pena de morte por um homicídio em 1994.

Estava no corredor da morte por homicídio há 30 anos. Foi libertado
Notícias ao Minuto

14:38 - 01/03/24 por Notícias ao Minuto

Mundo EUA

Um homem de 54 anos, que foi condenado à morte no âmbito do homicídio de uma mulher por incêndio, acabou exonerado... 30 anos depois.

Segundo a cadeia ABC News, Daniel Gwynn foi libertado da prisão no estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, após a justiça norte-americana ter encontrado falhas na investigação à morte que culminou na sua condenação.

"A exoneração de Daniel Gwynn hoje liberta um homem que é provavelmente inocente", disse o procurador do distrito de Filadélfia, Larry Krasner, em comunicado. "Infelizmente, também exemplifica uma era de policiamento e acusação inexatos e, por vezes, corruptos, que quebraram a confiança junto das comunidades até aos dias que correm", continuou.

O caso remonta a 20 de novembro de 1994, quando uma mulher em situação de sem-abrigo, chamada Marsha Smith, morreu na sequência de um incêndio num prédio vazio que estava a ocupar. Gwynn e outras três pessoas estavam no mesmo prédio, na altura.

A acusação baseou-se nos testemunhos de duas pessoas, que apresentaram falhas, e uma confissão do próprio Gwynn, que era inconsistente com os dados sobre como começou o incêndio.

Mais, argumentou-se que os seus direitos constitucionais foram violados, já que não lhe foram fornecidas informações sobre um suspeito alternativo, que foi identificado por testemunhas.

"A condenação injusta de Daniel Gwynn, e sua prisão injusta por quase três décadas, é um conto preventivo de visão de túnel no policiamento e na acusação. Não apenas os direitos do Sr. Gwynn foram violados no julgamento, mas a sua condenação e sentença ao corredor da morte provavelmente permitiram que a pessoa realmente responsável escapasse da responsabilidade", disse o especialista David Napiorski, em comunicado.

Leia Também: Recluso condenado à pena de morte foi picado 10 vezes antes de desistirem

Recomendados para si

;
Campo obrigatório