Meteorologia

  • 13 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 29º

Iranianos votam para parlamento entre apelos à abstenção como protesto

As eleições legislativas hoje no Irão, onde o "líder supremo" ayatollah Ali Khamenei detém poder absoluto, são consideradas uma farsa por ativistas dos direitos humanos, que apelaram á abstenção como forma de protesto.

Iranianos votam para parlamento entre apelos à abstenção como protesto
Notícias ao Minuto

06:35 - 01/03/24 por Lusa

Mundo Eleições

As autoridades têm instado as pessoas a votar, mas é revelador o facto de este ano não ter sido divulgada qualquer informação pelo centro de sondagens estatal ISPA sobre a taxa de participação esperada, característica constante das eleições anteriores, numa altura em que a inflação ronda os 50% e a taxa de desemprego dos jovens os 20%.

Mais de 15.000 candidatos estão a competir por um lugar no parlamento de 290 membros, formalmente conhecido como Assembleia Consultiva Islâmica.

Os mandatos são de quatro anos e cinco lugares estão reservados para as minorias religiosas.

De acordo com a lei, o parlamento supervisiona o poder executivo, mas na prática o poder absoluto no Irão pertence ao seu líder supremo, o ayatollah Ali Khamenei.

Nas últimas duas décadas, o parlamento tem sido controlado por elementos da linha dura, sendo frequente ouvir-se gritos de "Morte à América".

Sob o comando do presidente do parlamento Mohammad Bagher Qalibaf, um antigo general da Guarda Revolucionária que apoiou a violenta repressão contra os estudantes universitários iranianos em 1999, a legislatura avançou com um projeto de lei, em 2020, que restringe grandemente a cooperação de Teerão com o órgão de vigilância nuclear da ONU, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

Os apelos ao boicote das eleições têm-se multiplicado nas últimas semanas, incluindo o de Narges Mohammadi, Prémio Nobel da Paz e ativista dos direitos das mulheres, que se encontra detida, e que classificou as eleições como uma "farsa".

"A República Islâmica, com a sua repressão implacável e brutal, a morte de jovens nas ruas, as execuções, a prisão e a tortura de homens e mulheres, merece sanções nacionais e a desgraça mundial", declarou Mohammadi num comunicado.

Desde a Revolução Islâmica de 1979, a teocracia iraniana tem baseado a sua legitimidade, em parte, na participação nas eleições.

Na quarta-feira, o próprio Khamenei exortou as pessoas a votar, descrevendo-o como um dever nacional. "Não há nenhuma razão para não votar. Isso não resolve nenhum problema do país", afirmou.

Nas presidenciais de 2021, que levaram o extremista Ebrahim Raisi ao poder, a taxa de participação foi de 49% - a mais baixa de que há registo para uma votação presidencial. Nas parlamentares de 2019 a taxa foi ainda menor: 42%.

Hoje, os iranianos também votarão para a eleição dos membros da Assembleia de Peritos, de 88 lugares, um mandato de oito anos num painel que nomeará o próximo líder supremo do país, depois de Khamenei, de 84 anos.

O antigo Presidente iraniano, Hassan Rouhani, um relativo moderado, sob cujo mandato o Irão celebrou o acordo nuclear de 2015 com as potências mundiais, está excluído da corrida.

Leia Também: As datas, os candidatos, onde votar. Guia para as eleições legislativas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório