Meteorologia

  • 24 ABRIL 2024
Tempo
24º
MIN 13º MÁX 24º

EI reivindica 27 ataques que provocaram 70 mortos em Moçambique

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria de 27 ataques em vilas "cristãs" no distrito de Chiùre, Cabo Delgado, norte de Moçambique, em que afirma terem morrido 70 pessoas nos últimos dias.

EI reivindica 27 ataques que provocaram 70 mortos em Moçambique
Notícias ao Minuto

09:49 - 28/02/24 por Lusa

Mundo Moçambique

Através dos canais de propaganda do grupo, que documenta estes ataques com fotografias, é referida ainda a destruição de 500 igrejas, casas, e edifícios públicos naquele distrito do sul da província de Cabo Delgado, conforme declarações a que a Lusa teve hoje acesso.

As autoridades moçambicanas não comentam a situação operacional, mas a Lusa ouviu nos últimos dias, na vila de Chiùre, relatos de deslocados que chegam à localidade sobre ataques, destruição de hospitais, escolas e casas, além de mortos, provocados em diferentes aldeias do distrito pelos insurgentes.

O governador de Cabo Delgado, Valige Tauabo, afirmou na segunda-feira à Lusa que os atos "macabros" que assolam há duas semanas o sul daquela província moçambicana são protagonizados por "grupinhos" de "extremistas violentos", mas que ainda acredita na reconciliação.

Em causa estão os vários ataques em diferentes aldeias de distritos no sul de Cabo Delgado, sobretudo em Chiùre, depois de nos últimos anos, desde 2017, as ações dos insurgentes se terem concentrado no centro e norte da província.

"Está havendo um grupinho fazendo assustar as pessoas nas comunidades e as pessoas só de ouvirem que são eles, que são os extremistas que estão aí a vir, cria pânico nas aldeias", reconheceu à Lusa, em Pemba, capital da província, o governador Valige Tauabo.

Trata-se de "ações macabras que estão a ser protagonizados pelos extremistas violentos e que desaguam mesmo no terrorismo", apontou.

"No sul da província não era comum as ações que eram realizadas no norte e centro", afirmou Tauabo, reconhecendo que estes ataques têm provocado o "pânico nas comunidades", sobretudo de Chiùre.

"Ficaram agitadas, todas. E não é para menos", lamentou.

Só para a vila de Chiùre, o último refúgio relativamente seguro naquele distrito, a autarquia local estima que já fugiram mais de 13.000 pessoas nos últimos dias, num fluxo permanente de novos deslocados, que chegam após vários dias de caminhada.

Os ataques insurgentes em Cabo Delgado começaram em 2017, mas o governador recorda que a partir de novembro de 2022 a população que se tinha deslocado do norte e centro para os distritos no sul, "procurando segurança" -- estima-se que mais de um milhão de pessoas --, começaram a regressar às aldeias de origem.

"Em 2023 já se fazia sentir um bem-estar, porque aquela população toda que tinha saído já se encontrava nas suas aldeias (...) Já no fim de 2023 começaram bolsinhas a aparecer, alguns nichos, com intervenções nas aldeias, mas com uma abordagem um pouco diferente da que se viveu no passado", detalhou Valige Tauabo.

O Presidente da República, Filipe Nyusi, tem reiterado publicamente nos últimos meses o apelo ao regresso às suas comunidades dos jovens moçambicanos alegadamente recrutados por estes grupos, garantindo que serão bem recebidos nas comunidades.

Uma reconciliação que o governador entende ser necessária, para permitir o regresso dos "muitos" moçambicanos que foram "forçados a juntar-se" aos grupos insurgentes.

"É muito forte, sobretudo quando sai do chefe de Estado. Também notamos que houve a entrega de muitos e foi naquele período em que não houve nada", aponta, acreditando que no terreno ainda está um "último grupo de jovens" que não aceita essa reconciliação.

A província de Cabo Delgado enfrenta há mais de seis anos uma insurgência armada com alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico, que levou a uma resposta militar desde julho de 2021, com apoio do Ruanda e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos de gás.

O conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com dados das agências das Nações Unidas, e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

Leia Também: UE disponível para novas sanções contra EI após uso de armas químicas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório