Meteorologia

  • 25 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 19º

Israel acusa ONU de "ignorar crimes" do Hamas ao pedir embargo de armas

O ministro dos Negócios Estrangeiros israelita acusou os relatores e peritos da ONU de "ignorarem os crimes de guerra, os crimes sexuais e os crimes contra a humanidade" cometidos pelo Hamas ao pedirem um embargo de armas a Israel.

Israel acusa ONU de "ignorar crimes" do Hamas ao pedir embargo de armas
Notícias ao Minuto

10:31 - 25/02/24 por Lusa

Mundo Israel/Palestina

As declarações do ministro foram feitas depois de os relatores e peritos da ONU terem pedido um embargo de armas a Israel devido ao elevado número de vítimas civis na guerra na Faixa de Gaza.

"Desde o massacre de 7 de outubro, a ONU tem cooperado com os terroristas do Hamas e está a tentar minar o direito de Israel a defender-se a si próprio e aos seus cidadãos de uma organização terrorista assassina que exige a destruição de Israel", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Israel Katz, na sua conta na rede social X.

Trinta e sete membros de grupos de peritos e relatores da ONU afirmaram na sexta-feira que a exportação de armas para Israel por parte de outros países deve ser "interrompida imediatamente", uma vez que qualquer transferência de armas pode violar o direito internacional humanitário na atual ofensiva em Gaza.

"É uma mancha que não pode ser apagada da ONU enquanto organização e da vida pessoal do secretário-geral António Guterres", acrescentou Katz.

O ministério afirmou que os pedidos de embargo de armas são "apelos ao apoio" ao Hamas e que o pedido de cessação da partilha de informações com Israel "impedirá o regresso dos reféns a casa", enquanto os pedidos dos relatores e peritos da ONU foram descritos como "obsessão anti-israelita" e "posições tendenciosas".

Os signatários incluem a relatora da ONU para os Territórios Palestinianos, Francesca Albanese, que foi recentemente proibida de entrar em Israel, e os seus homólogos para a proteção dos direitos humanos na luta contra o terrorismo (Ben Saul) e contra o racismo e a xenofobia (Ashwini K.P.).

Os signatários elogiaram países como a Espanha, a Bélgica, os Países Baixos, a Itália e empresas como a japonesa Itochu, que suspenderam as suas transferências de armas para Israel, bem como a UE, que recomendou a não exportação de armas para o país.

Por outro lado, os signatários referem que os EUA e a Alemanha são, de longe, os principais exportadores de armas para Israel, com um aumento de vendas desde o início da guerra, e citam outros importantes fornecedores do exército israelita, como a França, o Reino Unido, o Canadá e a Austrália.

"A decisão do Tribunal Internacional de Justiça de 26 de janeiro, que apontou para um risco plausível de genocídio em Gaza, aumenta a necessidade de um embargo de armas contra Israel", afirmaram.

Leia Também: Trégua em Gaza? Gabinete de guerra de Israel envia delegação ao Qatar

Recomendados para si

;
Campo obrigatório