Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 23º

Regime talibã executa publicamente 2 homens perante milhares de pessoas

O regime talibã que governa o Afeganistão realizou na quinta-feira uma dupla execução pública num estádio, com familiares de vítimas de homicídio a dispararem contra dois condenados, perante milhares de pessoas.

Regime talibã executa publicamente 2 homens perante milhares de pessoas
Notícias ao Minuto

06:30 - 23/02/24 por Lusa

Mundo Afeganistão

O Supremo Tribunal dos talibãs considerou os dois homens, identificados como Syed Jamal, da província central de Wardak, e Gul Khan, de Ghazni (sudeste), responsáveis pelas mortes por esfaqueamento de duas pessoas, em ataques separados.

Num comunicado, o tribunal referiu que três tribunais de instância inferiores e o líder supremo dos talibãs, Hibatullah Akhundzada, ordenaram as execuções em retribuição pelos crimes.

Na quinta-feira, as pessoas aglomeraram-se em frente ao estádio na área de Ali Lala, na cidade de Ghazni. Líderes religiosos imploraram aos familiares das vítimas que perdoassem os condenados, mas eles recusaram.

Um porta-voz da polícia de Ghazni, Abu Abu Khalid Sarhadi, disse que as execuções começaram pouco antes das 13h00 de quinta-feira (08h30 em Lisboa) e que os familiares das vítimas dispararam 15 balas contra os dois homens.

Um porta-voz do Supremo Tribunal, Abdul Rahim Rashid, disse que os homens foram baleados pelas costas e que os corpos foram depois levados por ambulâncias.

Estas foram a terceira e a quarta execuções públicas desde que o regime talibã tomou o poder em 2021, após a retirada das forças dos EUA e da NATO do Afeganistão.

As Nações Unidas criticaram os talibãs por levarem a cabo execuções, chicotadas e apedrejamentos em público e apelaram aos líderes do regime para que ponham termo a tais práticas.

Na quinta-feira, a ONU reiterou a oposição à pena de morte, por ser inconsistente com o direito fundamental à vida.

A missão das Nações Unidas no Afeganistão instou as autoridades talibãs a estabelecerem uma moratória imediata sobre a pena de morte, num primeiro passo rumo à abolição da pena capital.

Os talibãs realizaram execuções, flagelações e apedrejamentos em público de forma regular quando estavam anteriormente no poder no Afeganistão, no final da década de 1990.

Leia Também: São precisos 373 milhões para reconstruir oeste do Afeganistão após sismo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório