Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 25º

África pede aos EUA para prologarem programa de luta contra a SIDA

Os chefes de Estado africanos vão pedir aos EUA para renovarem o programa de combate à propagação do VIH-SIDA, anunciou hoje na Etiópia o chefe do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (África CDC) da União Africana (UA).

África pede aos EUA para prologarem programa de luta contra a SIDA
Notícias ao Minuto

17:12 - 18/02/24 por Lusa

Mundo África

Lançado em 2003 pelo ex-Presidente dos EUA George W. Bush, o Plano de Emergência contra a SIDA é um dos principais programas mundiais para a luta contra a SIDA.

O programa beneficiou até recentemente de amplo apoio do Congresso norte-americano, mas recentemente os congressistas decidiram não o renovar, devido a controvérsias internas sobre questões relacionadas com o aborto.

Hoje, o diretor do África CDC, Jean Kaseya, anunciou que os chefes de estado africanos "vão enviar uma mensagem clara exigindo a reautorização do Programa", numa declaração feita à margem da cimeira da UA que se iniciou no sábado e termina hoje, em Adis Abeba.

"Temos de agir rapidamente. As estatísticas mostram que os jovens são afetados todos os dias. (...) Perder a nossa juventude significa matar a nossa economia e travar o nosso desenvolvimento", acresccentou Kaseya.

O programa norte-americano fornece anualmente 1,5 mil milhões de euros para combater a SIDA em África, de acordo com Kaseya.

Os especialistas acreditam que o enorme progresso alcançado no continente, com muitas vidas salvas, graças ao programa de luta contra a SIDA ficará em risco, se o programa for suspenso.

Segundo a ONU, apenas 10% das necessidades de financiamento para a luta contra a SIDA até 2025 foram satisfeitas.

Em 2022, 39 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com VIH, segundo a agência das Nações Unidas ONUSIDA, incluindo cerca de 20,8 milhões na África Oriental e Austral.

Leia Também: Liga Portuguesa Contra a Sida apela para utilização de preservativo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório