Meteorologia

  • 20 MAIO 2024
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 20º

Mulher de 1.º líder do EI diz que califado tinha "obsessão por mulheres"

Uma das mulheres do primeiro líder do Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al Bagdadi, garantiu hoje que durante os cinco anos do autoproclamado califado na Síria e no Iraque a "obsessão pelas mulheres" e escravas sexuais substituiu a religião.

Mulher de 1.º líder do EI diz que califado tinha "obsessão por mulheres"
Notícias ao Minuto

23:43 - 15/02/24 por Lusa

Mundo Estado Islâmico

"Naquela época havia uma obsessão pelas mulheres. O califado passou de um Estado Islâmico a um Estado de Mulheres", frisou Asmaa Mohamed, durante uma entrevista ao canal saudita Al Hadath desde o Iraque, onde está detida pelas autoridades do país árabe.

Vestida com um véu preto e com a cabeça baixa, para não mostrar o rosto, a principal mulher de Al Baghdadi, que se imolou juntamente com três dos seus filhos em 2019 durante, uma operação dos Estados Unidos na Síria, garantiu que o líder da organização terrorista tinha "entre nove e dez escravas sexuais".

Segundo a versão de Mohamed, esta obsessão levou-o a casar com várias mulheres, incluindo uma menor de etnia Yazidi, uma menina iraquiana de 14 anos, filha de um dos líderes do EI, e com "uma chechena".

"Todos os líderes [do EI] tinham concubinas yazidis", uma comunidade do norte do Iraque que foi vítima de genocídio por parte do grupo terrorista, que raptou, violou e até vendeu meninas deste grupo étnico como escravas sexuais, segundo organizações de defesa dos direitos humanos.

Asmaa Mohamed, que não conseguiu conter as lágrimas durante a entrevista, contou que Al Baghdadi chegou a oferecer uma das suas filhas, de 12 anos, ao seu braço direito para casamento.

"Ter tantas mulheres e tratá-las como se não tivessem valor não tem nada a ver com a Sharia [lei islâmica] que tentaram espalhar. É totalmente contra o Islão", denunciou Mohamed, que garantiu ainda que o líder do EI tentou convencê-la em diversas ocasiões sobre a legitimidade da escravidão sexual.

"Na minha opinião, esta organização (EI) foi uma história negra e acabou. Quero dizer às mulheres que ainda acreditam neste pensamento que devem educar-se (...). Esta organização acabou e não acredito que surja novamente", atirou.

A mulher de Al Baghdadi revelou que se casaram em 1999, quando o líder tirava um curso superior, garantindo que era "uma pessoa normal que não acreditava em ideias extremistas".

Mas, depois de ser mantido em cativeiro pelas tropas dos EUA em 2004, durante a invasão do Iraque, "começou a mudar a sua maneira de pensar", sublinhou.

Depois de ser libertado pelos norte-americanos, Mohamed descreveu-o como ausente, levando a família a manter "uma vida bastante instável".

Uma das obsessões foi a segurança pessoal, de acordo com Asmaa Mohamed, que revelou que mesmo quando tinham que ir ao médico, Al Bagdadi obrigava-os a sair do consultório "com os olhos fechados" para que não soubessem onde tinham estado.

Segundo a sua versão, até Al Baghdadi fazer o seu discurso em 2014 na grande mesquita de Mossul, para se proclamar califa do EI, ela não sabia o que o seu marido estava a fazer.

"A vida mudou depois do discurso e ficamos com medo porque Al Baghdadi se tornou uma pessoa orgulhosa por todas as conquistas que alcançou naquela altura. Ele tinha grandes sonhos, de chegar a Roma", frisou Asmaa Mohamed.

A entrevista à mulher de Al Baghdadi ocorreu pouco depois de o Conselho Supremo de Justiça iraquiano ter anunciado que um número desconhecido de familiares do primeiro líder do grupo extremista Estado Islâmico foram detidos, após terem sido repatriados para o Iraque.

Leia Também: Missionários, padres e religiosas estão a fugir para Pemba

Recomendados para si

;
Campo obrigatório