Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 14º

Acordado um cessar-fogo de 72 horas no leste da RDCongo

As partes em conflito no leste da República Democrática do Congo (RDCongo) acordaram um cessar-fogo de 72 horas, com o apoio das autoridades congolesas e ruandesas, anunciaram hoje os Estados Unidos (EUA).

Acordado um cessar-fogo de 72 horas no leste da RDCongo
Notícias ao Minuto

21:17 - 11/12/23 por Lusa

Mundo RDCongo

"A partir do meio-dia [horário local], as forças armadas e os grupos armados não estatais cessaram os combates para facilitar a retirada das forças que ocupam a cidade de Mushaki e a estrada RP1030 (Kirolwire-Kitchanga)", declarou a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Adrienne Watson.

A porta-voz do Conselho de Segurança Nacional referiu que Washington controlará as atividades das partes enquanto durar o cessar-fogo.

"Os Estados Unidos apoiam a retoma dos processos de Nairobi e Luanda, que procuram resolver os fatores atuais e históricos que perpetuam esta crise de longa data", acrescentou.

O acordo surge na sequência de uma viagem da diretora dos Serviços Secretos dos EUA, Avril Haines, à RDCongo e de contactos diplomáticos com o Presidente congolês, Felix Tshisekedi, e com o Presidente ruandês, Paul Kagame.

A força internacional da Comunidade da África Oriental (CAO) começou oficialmente a retirar-se na sexta-feira, depois de o Governo congolês ter decidido pôr termo ao seu mandato, após um ano de esforços infrutíferos para conter a violência das milícias e ganhar a confiança da população.

O Movimento 23 de março (M23) afirmou ter capturado Mushaki após a retirada das forças internacionais.

A missão, que durou apenas um ano, tinha como objetivo proteger a população civil destas milícias, cujo confronto com as forças congolesas provocou um êxodo regional.

O M23 é um grupo rebelde composto maioritariamente por tutsis congoleses e que opera principalmente na província. Após um conflito entre 2012 e 2013, a RDCongo e o grupo assinaram um acordo de paz em dezembro.

Durante os combates, o exército congolês foi apoiado por tropas da ONU.

O grupo terrorista lançou uma nova ofensiva em outubro de 2022, que se intensificou em novembro, provocando uma crise diplomática entre a RDCongo e o Ruanda sobre o seu papel no conflito.

Kigali acusou Kinshasa de apoiar as Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda (FDLR), um grupo armado rebelde fundado e composto maioritariamente por hutus responsáveis pelo genocídio de 1994 no Ruanda.

Leia Também: Risco de "confronto militar direto" entre RDCongo e Ruanda preocupa ONU

Recomendados para si

;
Campo obrigatório