Meteorologia

  • 26 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 14º

Desastres naturais mataram mais de 53.600 pessoas em África em 22 anos

A Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA) alertou hoje que as catástrofes naturais em África, que aumentaram devido à crise climática, mataram mais de 53.600 pessoas entre 2000 e 2022 e prejudicaram o crescimento económico do continente.

Desastres naturais mataram mais de 53.600 pessoas em África em 22 anos
Notícias ao Minuto

19:39 - 11/12/23 por Lusa

Mundo África

"Os eventos catastróficos induzidos pelo clima desencadearam graves crises humanitárias em África, sendo que, entre 2000 e 2022, um total de 407,5 milhões de pessoas foram afetadas por catástrofes naturais", afirmou a UNECA em Abuja, a capital nigeriana, onde vai lançar o seu relatório "Construir a Resiliência de África aos Choques Económicos Globais" na próxima segunda-feira.

"Durante este período, 4,2 milhões de pessoas ficaram sem casa, 53.610 morreram e 52.205 ficaram feridas", acrescentou a agência das Nações Unidas (ONU) num comunicado.

A UNECA frisou que "parte da volatilidade observada no crescimento" do Produto Interno Bruto (PIB) do continente se deve a "choques induzidos pelo clima".

"Com uma mudança de temperatura de 1,8 graus Celsius, como se espera que ocorra em 2030 se as tendências atuais persistirem, poderíamos esperar um declínio de dois pontos percentuais no crescimento real do PIB", referiu a UNECA.

"Mais importante ainda, a crise climática em África tende a prejudicar a redução da pobreza e, nalguns casos, a destruir os meios de subsistência de milhões de pessoas que dependem da agricultura e das pequenas empresas", acrescentou.

O relatório recomenda que os países africanos "aproveitem os seus recursos naturais de forma a estimular o crescimento económico" e "ao mesmo tempo reduzam gradualmente" as emissões de gases poluentes "associadas às atividades de consumo".

Aconselha também a comunidade internacional a "desenvolver um mecanismo que facilite a recompra e a reemissão da dívida a taxas mais baixas", o que permitiria aos países africanos tomar medidas climáticas e "investir as suas poupanças na resistência às alterações climáticas".

Leia Também: Centenas de mineiros bloqueados por colegas na África do Sul

Recomendados para si

;
Campo obrigatório