Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 14º

União Europeia pede nova pausa e solução política para o conflito em Gaza

O Alto Representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, apelou hoje a uma nova pausa na guerra entre o grupo extremista islâmico Hamas e Israel na Faixa de Gaza, pedindo uma solução "política" para os territórios palestinianos.

União Europeia pede nova pausa e solução política para o conflito em Gaza
Notícias ao Minuto

17:44 - 02/12/23 por Lusa

Mundo Israel/Palestina

"A pausa temporária permitiu a libertação de alguns reféns e a entrega de ajuda humanitária aos civis em Gaza. Não é suficiente. As pausas humanitárias devem ser retomadas e, ao mesmo tempo, trabalhar para uma solução política global para todos os territórios palestinianos", escreveu o político espanhol no seu perfil na rede social X (antigo Twitter).

A forma como as autoridades israelitas exercem o seu direito de autodefesa após o ataque do Hamas de 07 de outubro é "importante", mas é "essencial que Israel respeite o direito humanitário internacional e as leis da guerra", escreveu o diplomata.

E é também "essencial que Israel respeite o direito internacional humanitário e as leis da guerra, o que não é apenas uma obrigação moral, mas também uma obrigação legal", escreveu Borrell, lamentando "a violência crescente" na Cisjordânia, zona onde "271 palestinianos foram mortos", segundo a ONU.

Neste contexto, "é importante a forma como Israel se defende" e considera que essa é uma "obrigação moral e legal" de Telavive, acrescentou.

"Infelizmente, as hostilidades recomeçaram em Gaza e já podemos ver que o número de mortos civis, anteriormente elevado, continuou a aumentar", escreveu o chefe da diplomacia europeia, manifestando o seu desalento: "Estamos muito tristes por ver que o número de vítimas civis continuou a aumentar".

A guerra rebentou a 7 de outubro, na sequência de um ataque do Hamas que incluiu o lançamento de milhares de rockets contra Israel e a infiltração de cerca de 3.000 milicianos que mataram cerca de 1.200 pessoas e raptaram outras 240 em aldeias israelitas próximas da Faixa.

Desde então, as forças israelitas têm mantido uma incessante ofensiva aérea, terrestre e marítima contra o enclave palestiniano que já terá feito mais de 15 mil mortos e gerado quase dois milhões de deslocados, no meio de uma grave crise humanitária.

Leia Também: Josep Borrell recorda Kissinger como um "verdadeiro diplomata"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório