Meteorologia

  • 04 MARçO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 17º

Gerir a escassez de água é tema prioritário para Cabo Verde

Organizações de defesa do ambiente disseram à Lusa que a gestão da água é um dos temas prioritários que Cabo Verde deve levar à cimeira das Nações Unidas sobre o clima (COP28), a partir de quinta-feira, no Dubai.

Gerir a escassez de água é tema prioritário para Cabo Verde
Notícias ao Minuto

06:14 - 29/11/23 por Lusa

Mundo Cabo Verde

"Cabo Verde é um país atingido pela seca e desertificação. Devemos mobilizar água, mas também fazer uma boa gestão" para o uso humano, referiu Januário Nascimento, presidente da Associação para a Defesa do Ambiente e Desenvolvimento (ADAD).

O problema não é exclusivo de Cabo Verde, "é uma questão mundial", disse, que considera estar a ser afetada pelo incumprimento de promessas de financiamento, ao cabo de 28 cimeiras.

Há mais de uma década que os países mais frágeis pedem um apoio, estimado em 100 mil milhões de dólares anuais, para a transição para um mundo com menos emissões de gases com efeitos de estufa.

"De COP para COP tem havido várias promessas, mas esse milhões não chegam a Cabo Verde", referiu Januário Nascimento.

O ambientalista disse que há reuniões a mais e ação a menos, defendendo que as cimeiras do clima "deviam ser reduzidas" e realizar-se "de dois em dois anos".

O problema da escassez de água é também destacado pela associação ambientalista Quercus Cabo Verde.

"Temos de saber conviver com a seca e as alterações climáticas", disse Paulo Ferreira, presidente da organização, à Lusa, considerando que "já não há desculpas" para não se usarem melhor os recursos, considerando fundamental que haja educação ambiental.

Segundo referiu, as alterações climáticas são "uma ameaça existencial para o país, que enfrenta desafios ambientais importantes, como a escassez de água, a contaminação e poluição ambiental, e a perda de biodiversidade".

A participação de Cabo Verde na COP28 é vista pela Quercus como "uma oportunidade importante para o país se posicionar como um líder na ação climática", mostrando, por exemplo, como a reconversão de dívida pode apoiar o financiamento climático -- um acordo modelo assinado este ano em que Portugal perdoou 12 milhões de euros da dívida de Cabo Verde para colocá-los num Fundo Climático Ambiental do arquipélago.

Januário Nascimento considerou que Cabo Verde tem dado "passos importantes" para promover a transição energética, "por vezes com exagero", como quando previu ter 100% da eletricidade a partir de fontes renováveis em 2025, recordou, meta, entretanto, reduzida para 50% e empurrada para 2030.

"Tem havido um desencontro de números", mas "há trabalho feito e um grande esforço", porque, caso contrário, a energia para consumo pelos carros elétricos "é energia fóssil", gerada em centrais elétricas que queimam combustíveis.

"Temos de ter em conta que a mobilização de recursos para essas áreas [renováveis] custa muito: precisamos de projetos tecnicamente bem concebidos", concluiu.

O mais recente relatório da ONU indica que o mundo precisa de cortar 42% das emissões até 2030 para respeitar o teto de 1,5°C de aquecimento, uma meta assumida em 2015 no Acordo de Paris sobre redução de emissões.

A COP28 vai decorrer entre 30 de novembro e 12 de dezembro, no Dubai, principal cidade dos Emirados Árabes Unidos, com a ambição de fazer o primeiro balanço global do Acordo de Paris.

Leia Também: Número de casos de dengue em Cabo Verde sobe para 32

Recomendados para si

;
Campo obrigatório