Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 14º

OMS teme mais mortes em Gaza por doenças do que por bombardeamentos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou hoje temer que mais pessoas possam começar a morrer de doenças do que de atos de guerra na Faixa de Gaza, devido à propagação de doenças infecciosas no enclave.

OMS teme mais mortes em Gaza por doenças do que por bombardeamentos
Notícias ao Minuto

13:15 - 28/11/23 por Lusa

Mundo Israel

A propagação de doenças, segundo a porta-voz da OMS, Margaret Harris, pode ser rapidamente fatal para pessoas com o organismo debilitado, sobretudo crianças.

"Começaremos a ver mais pessoas a morrer de doenças do que de bombardeamentos se as necessidades mínimas de saúde não forem novamente satisfeitas", alertou Margaret Harris.

No início das tréguas, há cinco dias, a OMS efetuou uma avaliação rápida da situação em Gaza e identificou como problemas de saúde mais graves a falta de alimentos, de água e de saneamento.

A OMS constatou também a grave falta de profissionais de saúde, com a consequente ausência de consultas médicas, bem como o amontoado de escombros à volta dos hospitais, que também têm sido utilizados pelos civis como abrigos.

Neste contexto, as doenças respiratórias e a diarreia são motivo de grande preocupação para a OMS, porque uma criança que não receba tratamento, procedimento muito simples numa situação normal, pode morrer numa questão de horas devido à desidratação.

A avaliação dos hospitais revelou uma situação geral muito crítica, também devido à falta de combustível para fazer funcionar o equipamento essencial e à falta de todos os tipos de medicamentos.

Durante os últimos dias da trégua, que termina na quinta-feira, a OMS tem estado a entregar material médico a Gaza, em especial equipamento para tratar os feridos pelas explosões.

Israel declarou guerra ao Hamas em 07 de outubro, na sequência de um ataque do grupo islamita palestiniano que provocou a morte de cerca de 1.200 pessoas e ainda levou ao rapto de mais de 240 em comunidades israelitas próximas à Faixa de Gaza.

Desde então, as forças aéreas, navais e terrestres de Israel contra-atacaram no enclave palestiniano, onde mais de 15 mil pessoas já morreram, a maioria crianças e mulheres, segundo as autoridades da Faixa de Gaza -- controlada pelo Hamas -, estimando-se que mais de sete mil pessoas estejam desaparecidas sob os escombros.

Leia Também: AO MINUTO: Filhos de português libertados; Lista de reféns entregue

Recomendados para si

;
Campo obrigatório