Meteorologia

  • 21 FEVEREIRO 2024
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 20º

Estudantes judeus queixam-se de atos antissemitas em França

Estudantes judeus em França queixam-se de serem ameaçados e alvos de comentários antissemitas desde o início da guerra de Israel contra o grupo terrorista Hamas, em 07 de outubro, denunciou hoje o presidente da União de Estudantes Judeus de França.

Estudantes judeus queixam-se de atos antissemitas em França
Notícias ao Minuto

22:51 - 21/11/23 por Lusa

Mundo Israel/Palestina

"Além dos 'rótulos', é sobretudo o clima hostil em relação aos estudantes judeus que queremos denunciar", afirmou o presidente daquela instituição, Samuel Lejoyeux, acrescentando que os universitários em questão "sentem-se inseguros".

Na Universidade de Nanterre, a oeste de Paris, os estudantes judeus relataram à imprensa que enfrentam "pressões" e "ameaças" dentro do sistema, apesar de as universidades tentarem combater a situação.

A distribuição de um folheto e de um vídeo considerado antissemita levou a universidade a apresentar duas queixas à Justiça, estando os casos a ser "atualmente investigados", segundo o presidente da câmara local, Laurent Hottiaux.

A ministra francesa do Ensino Superior, Sylvie Retailleau, que esteve hoje em Nanterre, descreveu o antissemitismo nas universidades como "um flagelo", considerando os atos como "intoleráveis".

"Não se pode chegar à universidade, seja qual for a sua religião ou crenças, com um nó no estômago", disse, atribuindo os atos antissemitas em Nanterre a "uma minoria de pessoas da extrema-esquerda", sem dar mais detalhes.

Este clima de hostilidade não se limita à França, onde os atos nas universidades "são uma minoria se compararmos, por exemplo, com os Estados Unidos", ressalvou Lejoyeux, admitindo, no entanto, estar "preocupada".

Vários outros sindicatos estudantis, incluindo a organização de esquerda Unef (a maior união nacional de estudantes de França, próxima do Partido Socialista), convocaram uma manifestação "contra o antissemitismo" para esta noite, em Paris.

"É uma constatação que fazemos há anos e desde 07 de outubro: temos um problema de antissemitismo nas universidades", disse a secretária-geral da Unef, Hania Hamidi, em declarações à agência francesa de notícias AFP.

As autoridades de França registaram mais de 1.500 atos antissemitas desde 07 de outubro, o que representa o triplo do total registado no ano 2022.

Também o presidente da France Universités, que reúne os líderes das universidades e dos estabelecimentos de ensino superior e de investigação, referiu a existência de atos antissemitas.

São "atos isolados" e "relativamente poucos, mas qualquer um já é demais" afirmou Guillaume Gellé, sublinhando que os reitores das universidades estão "mobilizados contra o antissemitismo" e "reagem muito rapidamente em caso de incidentes".

Nos Estados Unidos, os atos antissemitas são muito mais numerosos. O Departamento de Educação norte-americano abriu recentemente várias investigações por atos de antissemitismo ou islamofobia em prestigiadas universidades, como as universidades de Columbia, Cornell e Pensilvânia.

Um ataque surpresa e de grande dimensão foi lançado, em 07 de outubro, pelo Hamas contra Israel, provocando, de acordo com as autoridades israelitas, mais de 1.200 mortos e 240 reféns.

Em resposta, Israel declarou guerra ao Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007 e é classificado como terrorista pela União Europeia e pelos Estados Unidos, bombardeando várias infraestruturas do grupo em Gaza e impondo um cerco total ao território com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

A retaliação israelita já matou, segundo o Hamas, mais de 13.300 mortos.

?A ONU indicou que mais de dois terços dos 2,4 milhões de habitantes da Faixa de Gaza foram deslocados pela guerra, tendo a maior parte fugido para sul.

Leia Também: "Não vamos parar a guerra após o cessar-fogo", garante Netanyahu

Recomendados para si

;
Campo obrigatório