Meteorologia

  • 21 ABRIL 2024
Tempo
24º
MIN 15º MÁX 24º

Líder da câmara baixa dos EUA arrisca votação de destituição esta semana

O congressista Matt Gaetz divulgou hoje que irá propor que seja colocada a votação "esta semana" a destituição do líder da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o também republicano Kevin McCarthy.

Líder da câmara baixa dos EUA arrisca votação de destituição esta semana
Notícias ao Minuto

06:24 - 03/10/23 por Lusa

Mundo EUA

Gaetz, que falava aos jornalistas à porta do Capitólio, referiu que pretende apresentar uma votação à Câmara dos Representantes (câmara baixa) nos próximos dias para destituir McCarthy.

Este congressista republicano, apoiante do ex-presidente Donald Trump, acusa o atual líder da câmara baixa de trabalhar com os democratas para evitar uma paralisação temporária do Governo.

Gaetz acrescentou que se não tiver os votos necessários para dar luz verde à destituição, tentará quantas vezes forem necessárias.

Também esta segunda-feira, num discurso perante o plenário da câmara baixa, de maioria republicana, Gaetz criticou diretamente McCarthy, garantindo que este concede todos os pedidos que a administração democrata solicita.

No domingo, o congressista já tinha avançado à estação CNN que planeava tomar medidas para afastar McCarhty, depois de o Congresso ter evitado uma paralisação governamental com a aprovação de uma lei que prolonga o financiamento para questões fundamentais por 45 dias, apesar da relutância de 'trumpistas' mais radicais como Gaetz.

Matt Gaetz também acusou McCarthy de mentir e de chegar a um "acordo secreto" com os democratas sobre o financiamento futuro para a Ucrânia, ao qual ele e outros republicanos se opõem.

"Para alargar os gastos e as prioridades políticas do [Presidente Joe] Biden, o líder da Câmara dos Representantes deu a Biden o dinheiro que ele pedia para a Ucrânia", apontou o político ultraconservador, que representa o Estado da Florida.

O acordo alcançado no sábado dá uma pausa ao Governo, mas deixa os democratas com vários desafios pela frente, especialmente como manter a ajuda a Kiev.

A resolução excluiu a ajuda à Ucrânia solicitada por Biden, que ascendia a 24 mil milhões de dólares (22,7 mil milhões de euros).

O Senado reduziu esses fundos para 6.000 milhões de dólares (5.700 milhões de euros), embora na sua aprovação final, por 88 votos a favor e 9 contra, a prorrogação também não incluísse este financiamento.

Espera-se agora que a Câmara dos Representantes vote um projeto de lei separado para ajudar o país que enfrenta a invasão russa.

O veto à ajuda à Ucrânia na resolução aprovada no sábado partiu da ala mais dura do Partido Republicano, que considera que se está a dar um cheque em branco àquele país sem verificar a utilização que é dada a esses fundos.

Mas Biden garantiu no domingo à noite que os republicanos no Congresso lhe deram a palavra de que manteriam o seu apoio.

"Não podemos permitir que o apoio americano seja interrompido em nenhuma circunstância", sublinhou o chefe de Estado norte-americano.

Leia Também: EUA. Ala radical dos Republicanos quer destituir líder da Câmara

Recomendados para si

;
Campo obrigatório