Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 22º

EUA aplicam sanções a duas empresas e a antigo ministro sudanês

O Departamento de Tesouro dos Estados Unidos incluiu na sua lista de sanções duas empresas e o antigo chefe da diplomacia do ex-presidente do Sudão, Omar al Bashir, Ali Karti, por ações contra a segurança do país.

EUA aplicam sanções a duas empresas e a antigo ministro sudanês
Notícias ao Minuto

15:18 - 29/09/23 por Lusa

Mundo Sudão

"Desde que o povo sudanês derrubou pacificamente Omar al Bashir, em abril de 2019, vários atores (...) levaram a cabo medidas para minar os esforços do Sudão para estabelecer uma governação civil e democrática", denunciou o organismo num comunicado.

"As suas ações bloquearam os esforços para alcançar um cessar-fogo para pôr fim ao conflito em curso entre as Forças Armadas Sudanesas (SAF) e os paramilitares das Forças de Apoio Rápido (RSF), e opuseram-se aos esforços civis sudaneses para retomar o impasse na transição democrática do Sudão", afirma a nota do departamento de Estado norte-americano.

As referidas empresas - GSK Advance Company Ltd e Aviatrade LLC - são afiliadas nas RSF e o organismo acusa-as de participarem direta e indiretamente no conflito através do financiamento e entrega de equipamentos militares, uma vez que se dedicam à área de segurança e tecnologia.

Já o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Ali Karti, após a queda de Al Bashir, liderou o Movimento Islâmico Sudanês (SIM) numa campanha para impedir o progresso rumo a uma transição democrática no Sudão, denuncia Washington.

"Ele e outros islamitas sudaneses da linha dura estão a bloquear ativamente os esforços para se alcançar um cessar-fogo e pôr fim à guerra em curso entre as SAF (Forças Armadas sudanesas) e a RSF", bem como "para restaurar a transição democrática do Sudão", alertou.

Como consequência desta medida, as propriedades e interesses que estas pessoas e empresas possam ter nos Estados Unidos, ou sob o controlo dos seus cidadãos e entidades, serão bloqueadas direta ou indiretamente, caso detenham mais de 50 por cento das ações. Além disso, os EUA proíbem todas as transações com o antigo MNE sudanês e as duas empresas sob pena de novas sanções.

Leia Também: Sudão. Líder das FAR apela a "cessar-fogo" e "resolução" do conflito

Recomendados para si

;
Campo obrigatório