Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 14º

Líder da Câmara dos Comuns canadiana demite-se após elogio a nazi

Anthony Rota convidou um veterano de guerra ucraniano e classificou-o como um "herói", apesar do homem ter lutado pelos nazis.

Líder da Câmara dos Comuns canadiana demite-se após elogio a nazi
Notícias ao Minuto

19:55 - 26/09/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Canadá

Bastaram quatro dias para que o líder da Câmara dos Comuns do Canadá apresentasse finalmente a demissão esta terça-feira, depois de ter protagonizado uma polémica saudação a um militar nazi durante a visita de Volodymyr Zelensky ao país.

Anthony Rota apresentou a sua demissão no final da reunião com os líderes dos diferentes partidos do parlamento canadiano, lamentando o incidente na sexta-feira. "Reitero o meu profundo arrependimento", afirmou, citado pela BBC.

O caso espoletou na sexta-feira quando, durante a visita do presidente ucraniano ao Canadá, Rota apontou para a galeria e fez um elogio a um "herói ucraniano e canadiano", o que valeu uma ovação em pé por todos os presentes (que incluíram Zelensky e o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau).

Não foi preciso muito até associações judaicas descobriram que o homem exaltado no parlamento era Yaroslav Hunka, de 98 anos, que tem ligações aos nazis e que, afinal, tinha lutado do lado dos nazis durante a Segunda Guerra Mundial.

Segundo a BBC, Hunka fez parte da 14.ª divisão de granadeiros das SS, as forças especiais da Alemanha Nazi, num grupo de voluntários de etnia ucraniana (de recordar que, na altura, a Ucrânia era uma república soviética) sob o comando dos alemães. Estudos demonstraram que membros da divisão terão sido responsáveis pela morte de judeus e de civis polacos.

Rota pediu desculpas pelo erro, mas já não havia volta a dar. Tanto dos partidos da oposição, como até pelo governo e por deputados leais ao partido de Trudeau, não faltaram pedidos de demissão e o afastamento do 'speaker' do parlamento.

"Eu acho que o 'speaker' devia ouvir os membros da câmara e afastar-se. Não vejo uma alternativa", rematou a ministra dos Negócios Estrangeiros, Melanie Joly, que considerou o lapso como "completamente inaceitável". O que acabou mesmo por acontecer.

Leia Também: Governo do Canadá pede demissão de político que convidou veterano nazi

Recomendados para si

;
Campo obrigatório