Meteorologia

  • 21 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 20º

Agência Internacional de Energia pede investimento urgente nas renováveis

A Agência Internacional de Energia (AIE) considera que o mundo pode alcançar o objetivo de "emissões zero" no setor da energia em 2050, triplicando para 2030, a capacidade de produção das energias renováveis.

Agência Internacional de Energia pede investimento urgente nas renováveis
Notícias ao Minuto

09:03 - 26/09/23 por Lusa

Mundo AIE

A AIE publicou hoje a atualização da estratégia de 2021 no sentido de alcançar os objetivos em meados do século e limitar o aumento global das temperaturas a 1,5 graus.

Para o organismo, apesar da "falta de ambição política e da cooperação" é possível que "os avanços dos últimos anos" possam ajudar a alcançar as metas inicialmente propostas. 

Deste modo, a AIE concentra-se em estratégias que visam triplicar em 2030 a capacidade de produção mundial de energias renováveis; duplicar o ritmo anual do aumento das melhorias de eficiência energética, incrementar a venda de veículos elétricos e promover as medidas com vista ao corte das emissões de gás metano (do setor energético) em 75%.

Estas estratégias têm como base tecnologias que já existem e que "já demonstraram rentabilidade" face aos cortes de emissões e que podem garantir a redução de mais de 80% de reduções necessárias até ao final da década, indica a AIE. 

Os investimentos globais devem multiplicar-se no início da próxima década para que se mantenha o ritmo da redução de emissões. 

O documento destaca que o "crescimento recorde" sobre a capacidade de produção de energia solar e as vendas de carros elétricos "estão em linha (...) com o caminho no sentido da neutralidade de emissões" a atingir em 2050. 

Mesmo assim, a agência insiste que são "necessárias ações mais ambiciosas" na década atual.  

O relatório constata que face a este cenário "não são necessários" novos projetos de longo prazo para a produção de petróleo, gás natural, minas de carvão ou centrais elétricas a carvão. 

A AIE reconhece que o investimento deve manter-se em alguns projetos já existentes ou que já foram aprovados nos setores do gás e do petróleo para que seja assegurado o equilíbrio entre o aumento da produção das energias renováveis e o "declive das energias fósseis" sem gerar problemas de abastecimento nem tensões nos preços. 

"A boa notícia é que sabemos que temos de fazer o como o temos de fazer", assinala no relatório o diretor executivo da AIE, Fatih Birol, que insiste "que para o êxito é crucial uma sólida cooperação internacional". 

O documento alerta que se o mundo não conseguir expandir com a rapidez necessária o setor das energias limpas para 2030 vai ser preciso retirar da atmosfera cerca de 5.000 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) por ano durante a segunda metade do século XXI para que seja assegurado que o aumento das temperaturas não ultrapasse os 1,5 graus.

O documento sublinha em particular que "quase todos os países precisam de acelerar o ritmo para atingir a neutralidade carbónica" e apela para que os "países ricos" antecipem os objetivos para 2045 e à República Popular da China para 2050.

Esta aceleração, que implicaria antecipar em cinco anos os objetivos de neutralidade carbónica fixados na maioria dos países desenvolvidos - incluindo os Estados Unidos, a União Europeia, o Reino Unido e o Japão - e em 10 anos na República Popular da China, é necessária para conseguir conter o aquecimento global em relação à era pré-industrial, acrescenta a AIE.

Leia Também: AIE prevê "défice significativo" de oferta de petróleo até ao fim do ano

Recomendados para si

;
Campo obrigatório