Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 25º

Turquia reitera críticas à Suécia condicionando a adesão à NATO

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje que a Suécia "deve cumprir as promessas" para que Ancara aprove a entrada do país na Aliança Atlântica reiterando que "há terroristas (curdos) em liberdade nas ruas de Estocolmo". 

Turquia reitera críticas à Suécia condicionando a adesão à NATO
Notícias ao Minuto

08:58 - 19/09/23 por Lusa

Mundo Ucrânia

"Para que isto aconteça (adesão da Suécia à NATO), Estocolmo deve cumprir as promessas. As organizações terroristas devem terminar imediatamente as manifestações nas ruas de Estocolmo e acabar com todas as atividades", disse Erdogan à estação de televisão pública dos Estados Unidos PBS.   

"Aparentemente, a Suécia levou a cabo alterações legislativas, mas isso não é suficiente", acrescentou.

O chefe de Estado da Turquia, país que pertence à NATO, a candidatura de Estocolmo à organização "está a ser avaliada pelo Parlamento (de Estocolmo)", mas acusou o governo de não cumprir "promessas".  

Por outro lado, Erdogan afirmou que as "posições de Estocolmo e Ancara sobre as negociações com vista à entrada da Turquia na União Europeia" são "coisas separadas". 

Erdogan voltou a dizer que a Turquia é um país autossuficiente e que "nunca precisou de contribuições da União Europeia".

"Deste modo, nem sequer é necessário para nós (entrar no bloco europeu)", reiterou.   

Para o governo de Ancara, a presença na Suécia de movimentos curdos, considerados "terroristas" pela Turquia, sobretudo o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) impede a entrada da Suécia na NATO.

O pedido de adesão da Suécia à Aliança Atlântica foi provocado pela invasão russa da Ucrânia. 

Por outro lado, nos últimos meses, o governo turco tem criticado a queima de exemplares do Corão em manifestações na Suécia. 

O presidente turco disse ainda na mesma entrevista que "confia na Rússia tanto quanto confia no Ocidente".

Explicando o recente encontro com o presidente russo, Vladimir Putin, Erdogan disse que não conseguiu que a Rússia retomasse o acordo sobre o transporte de cereais através do Mar Negro, do qual o Kremlin se retirou em julho, mas que tinha conseguido uma promessa de que Moscovo forneceria um milhão de toneladas de cereais a África.

"Não tenho razões para não confiar neles", disse Erdogan à PBS em Nova Iorque, onde participa na Assembleia Geral da ONU.

"Na medida em que o Ocidente é fiável, a Rússia é igualmente fiável. Nos últimos 50 anos, temos estado à espera à porta da União Europeia e, neste momento, confio na Rússia tanto quanto confio no Ocidente", disse Erdogan.

Ancara tem mantido laços estreitos com a Rússia e a Ucrânia durante os últimos 19 meses, desde o início da segunda invasão russa do território ucraniano.

Em julho do ano passado, a Turquia e a ONU chegaram a um acordo para permitir o transporte seguro de cereais ucranianos a partir dos portos do Mar Negro, ajudando a aliviar a crise alimentar mundial.

Moscovo abandonou o acordo há dois meses, alegando que um acordo paralelo para permitir as suas exportações de produtos alimentares e fertilizantes não tinha sido cumprido.

Erdogan indicou também a melhoria dos laços com Washington, que se centraram recentemente na aprovação por Ancara do pedido de adesão da Suécia à NATO e num possível acordo para fornecer caças F-16 à Turquia.

"Estamos satisfeitos com o desenvolvimento da nossa cooperação com os EUA", disse Erdogan. "Resolvemos a maior parte dos impasses durante as conversações com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e decidimos manter mais conversações de acordo com uma agenda positiva", disse. 

Leia Também: UE envia quase 500 milhões à Roménia, Itália e Turquia após catástrofes

Recomendados para si

;
Campo obrigatório