Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
24º
MIN 17º MÁX 25º

Canadá expulsa diplomata indiano enquanto investiga morte de líder sikh

O Canadá expulsou hoje um importante diplomata indiano enquanto investiga alegações credíveis sobre autoridades indianas terem ligações com o assassínio de um líder sikh no Canadá.

Canadá expulsa diplomata indiano enquanto investiga morte de líder sikh
Notícias ao Minuto

23:35 - 18/09/23 por Lusa

Mundo Canadá

A ministra dos Negócios Estrangeiros do Canadá, Mélanie Joly, declarou que o chefe dos serviços de informação indiano no Canadá foi expulso como consequência desta investigação.

"Se for verdade, isto seria uma grande violação da nossa soberania e da regra mais básica de como os países lidam uns com os outros. Como consequência, expulsamos um importante diplomata indiano", afirmou a ministra canadiana.

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, revelou hoje que os serviços de informação do seu país implicaram as autoridades indianas no assassínio, no Canadá, de um líder da comunidade sikh.

"Qualquer envolvimento de um Governo estrangeiro no assassínio de um canadiano em solo canadiano é uma violação inaceitável da nossa soberania", disse Trudeau na Câmara Baixa do Parlamento do Canadá.

O primeiro-ministro acrescentou que o Canadá "transmitiu as suas profundas preocupações aos mais altos responsáveis de segurança e do Governo indiano" sobre o assassínio de Hardeep Singh Nijjar, ocorrido em junho na cidade de Surrey, no oeste do Canadá.

Joly disse que Trudeau também levantou a questão com o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Singh Nijjar, atingido a tiro em 18 de junho por agressores desconhecidos no estacionamento de um templo Sikh, foi acusado de terrorismo pelas autoridades indianas por defender a criação de um país independente no estado de Punjab, o Khalistão, para a minoria sikh.

Trudeau informou hoje os principais líderes políticos do país sobre as conclusões dos serviços de informação canadianos sobre o envolvimento da Índia no assassínio e afirmou que durante a cimeira do G20, realizada na Índia nos dias 09 e 10 de setembro, exigiu explicações ao seu homólogo indiano, Narendra Modi.

"Da maneira mais forte possível, recomendo que o Governo da Índia colabore com o Canadá para chegar ao fundo desta questão", disse o primeiro-ministro canadiano, que descreveu o que aconteceu como "extremamente grave".

O Ministro da Segurança Pública, Dominic LeBlanc, disse hoje que o conselheiro de segurança nacional e o chefe do serviço de informação do Canadá viajaram para a Índia para se encontrarem com os seus homólogos e para confrontar as agências de informação indianas com as alegações.

LeBlanc declarou ser uma investigação ativa de homicídio liderada pela Polícia Montada Real Canadiana.

O líder conservador da oposição canadiana, Pierre Poilievre, disse que se as alegações forem verdadeiras, estas representam "uma afronta ultrajante à nossa soberania".

Em 01 de setembro, o Governo canadiano anunciou a suspensão das conversações com a Índia para a assinatura de um acordo de comércio livre, sem explicar os motivos. O Canadá também cancelou uma missão comercial à Índia que deveria ter ocorrido em outubro.

Cerca de 1,8 milhão de pessoas de origem indiana vivem no Canadá, das quais cerca de 770 mil são Sikhs.

O líder do social-democrata Novo Partido Democrático (NPD), Jagmeet Singh, o quarto partido no Parlamento canadiano, é sikh.

Leia Também: Trudeau implica autoridades indianas em assassínio no Canadá

Recomendados para si

;
Campo obrigatório