Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 14º

Marcha em memória das vítimas da ditadura de Pinochet acaba em confrontos

Confrontos entre a polícia e manifestantes ocorreram hoje em Santiago do Chile durante uma marcha em memória das vítimas da ditadura de Augusto Pinochet, por ocasião do 50.º aniversário do golpe de Estado que colocou o general no poder.

Marcha em memória das vítimas da ditadura de Pinochet acaba em confrontos
Notícias ao Minuto

19:51 - 10/09/23 por Lusa

Mundo Chile

O presidente do Chile, Gabriel Boric (esquerda), marcou presença na iniciativa, segundo o relato das agências internacionais.

Durante alguns momentos, Gabriel Boric juntou-se ao cortejo que reuniu cerca de 5.000 pessoas, segundo fontes governamentais, tornando-se o primeiro líder chileno a fazê-lo desde o fim da ditadura em 1990.

Alguns manifestantes arremessaram pedras contra o palácio presidencial, destruíram as barreiras de segurança colocadas na via pública e danificaram o acesso a um centro cultural localizado no edifício, segundo a agência France-Presse (AFP).

Também ocorreram confrontos com a polícia em outras zonas da cidade ao longo do percurso da marcha, com alguns manifestantes a atirarem 'cocktails Molotov' e a ergueram, mas também a incendiarem, barreiras.

No interior do cemitério, que alberga um memorial às vítimas do regime de Pinochet, foram danificados alguns mausoléus, incluindo o de um senador de direita.

"Como Presidente da República, condeno categoricamente estes acontecimentos [...]. A irracionalidade de atacar aquilo por que Allende e tantos outros democratas lutaram é desprezível", reagiu Boric na rede social X (antigo Twitter).

Três polícias ficaram feridos e três pessoas foram detidas na sequência destes incidentes, segundo fontes governamentais.

Em 11 de setembro de 1973, o general Augusto Pinochet tomou o poder ao derrubar o Presidente Salvador Allende. O golpe de Estado iria marcar o início de uma ditadura sangrenta, oficialmente responsável por 3.200 assassinatos e desaparecimentos.

Hoje em Santiago do Chile, a maioria dos manifestantes, exibindo bandeiras chilenas e entoando palavras de ordem como "Verdade e justiça já" e "Allende está vivo", marchou de forma pacífica.

"Com esta marcha, recordamos que 1973 abalou a democracia no Chile e que continuamos a lutar para a manter e reforçar", explicou Luis Pontigo, 72 anos, um professor reformado que participava no desfile.

Hoje de manhã, Boric inaugurou uma exposição dedicada à memória de Salvador Allende no palácio presidencial La Moneda, na presença de membros da família do falecido líder socialista.

Vários chefes de Estado e de Governo, incluindo o primeiro-ministro português, António Costa, estão no Chile para participar nas cerimónias do 50.º aniversário.

Leia Também: Costa no Chile alerta para crescimento da extrema-direita e pede união

Recomendados para si

;
Campo obrigatório