Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
34º
MIN 18º MÁX 37º

"Rússia tornou-se um patrono de grupos terroristas e criminosos"

O conselheiro ucraniano Mykhailo Podolyak reiterou o pedido para expulsar o país do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

"Rússia tornou-se um patrono de grupos terroristas e criminosos"
Notícias ao Minuto

20:42 - 10/08/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Mykhailo Podolyak

O conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak acusou, esta quinta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, se ter transformado a Federação Russa num "patrono de grupos terroristas e criminosos de guerra" e reiterou o pedido para expulsar o país do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

"A Rússia de Putin não só se tornou um patrono de grupos terroristas e criminosos de guerra em todo o mundo, como também continua a intoxicar as organizações internacionais", começou por referir o conselheiro de Volodymyr Zelensky, na rede social X (antigo Twitter).

Na nota, Podolyak afirmou ser "evidente" que o "Kremlin transformou o seu veto no Conselho de Segurança da ONU num instrumento de negociação com países com regimes específicos e uma propensão patológica para crimes de guerra"

"Qualquer pessoa que queira cometer um atentado terrorista, comprar tecnologia de mísseis para contornar as sanções ou vender matérias-primas a zonas de conflito sabe que pode encontrar apoio na Rússia e que qualquer reação da ONU será instantaneamente bloqueada", acusou.

Neste sentido, o responsável considerou que os "organismos de segurança mundiais têm de ser limpos" e que "o primeiro passo já devia ter sido dado há muito tempo".  "É altura de privar finalmente a Rússia do seu poder de veto e de a expulsar do Conselho de Segurança da ONU", apelou.

Sublinhe-se que a Rússia é um dos cincos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e tem poder de veto. Estados Unidos da América, China, França e Reino Unido são os outros países que têm assento permanente neste órgão.

O conflito entre a Ucrânia e a Rússia começou com o objetivo, segundo o presidente russo, Vladimir Putin, de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia. A operação foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A ONU confirmou que quase dez mil civis morreram e mais de 16 mil ficaram feridos na guerra, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão ser conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Leia Também: Kyiv e Moscovo trocam acusações sobre ataques com vítimas civis

Recomendados para si

;
Campo obrigatório