Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 16º

Libertadas mãe e filha norte-americanas após rapto de 2 semanas no Haiti

O Departamento de Estado dos EUA pediu que os cidadãos evitassem deslocações até ao país caribenho.

Libertadas mãe e filha norte-americanas após rapto de 2 semanas no Haiti
Notícias ao Minuto

15:50 - 09/08/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Haiti

Foi libertada a cidadã norte-americana que, juntamente  com a sua filha, tinha sido raptada no Haiti no final de julho.

O anúncio foi feito pela organização cristã sem fins lucrativos no âmbito da qual a enfermeira estava no país caribenho.

"É com muita gratidão e imensa alegria que nós, da [organização] El Roi Haiti confirmamos a libertação da nossa funcionária e amiga, Alix Dorsainvil, e da sua filha, que estavam reféns em Port au Prince. Rezamos a Deus pelas preces ouvidas", lê-se num comunicado citado pelas publicações internacionais.

Na mesma nota, a organização pede ainda que a mulher não seja contactada, assim como a sua família, "dado que há muito a processar e a resolver" no âmbito desta situação.

O rapto terá acontecido a 27 de julho. A mulher, casada com o diretor da organização, e a filha de ambos, terão sido raptadas nos arredores da capital haitiana.

A mulher, natural de New Hampshire, nos EUA, foi desde logo descrita como trabalhadora "incansável" determinada em "trazer alívio para aqueles que sofrem".

Já um porta-voz do Departamento de Estado do Haiti confirmou, dias depois do rapto - também em comunicado - "os relatos do sequestro de dois cidadãos americanos no Haiti".

"Estamos em contacto regular com as autoridades haitianas e continuaremos a trabalhar com eles e com os nossos parceiros interagências do governo dos EUA. O sequestro é generalizado e as vítimas incluem regularmente cidadãos americanos", lia-se na nota.

Mãe e filha sequestradas no Haiti. EUA pedem que cidadãos evitem país

Uma enfermeira da organização cristã sem fins lucrativos El Roi Haiti e a filha foram sequestradas na quinta-feira, revelou a organização, enquanto o Departamento de Estado dos EUA apelou a que sejam evitadas deslocações ao país caribenho.

Lusa | 16:23 - 30/07/2023

Gangues armados controlam cerca de 80% da capital haitiana, onde são comuns os crimes violentos como rapto com pedido de resgate, assalto à mão armada e roubo de automóveis.

No início deste mês, a Rede Nacional de Defesa dos Direitos Humanos emitiu um relatório alertando para um aumento de assassinatos e sequestros, enquanto o Conselho de Segurança da ONU reuniu para discutir o agravamento da situação no Haiti.

Perante a situação, o Departamento de Estado dos EUA pediu que os cidadãos evitassem deslocações até ao país.

Leia Também: Violência aumenta no Haiti com 83 raptos em julho

Recomendados para si

;
Campo obrigatório