Meteorologia

  • 03 MARçO 2024
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 15º

Mitsotakis lamenta "cacofonia política" após entrada de extrema-direita

O primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, reeleito nas eleições de domingo para um segundo mandato de quatro anos, lamentou hoje a entrada de pequenos partidos nacionalistas e de extrema-direita no Parlamento, criticando a "cacofonia política" que se poderá seguir.

Mitsotakis lamenta "cacofonia política" após entrada de extrema-direita
Notícias ao Minuto

14:13 - 28/06/23 por Lusa

Mundo Grécia

Antes da primeira reunião do Conselho de Ministros, sublinhou que a República grega "saberá como se proteger" destes "falsos ídolos", referindo-se em particular aos "espartanos", um partido recentemente formado e apoiado por Ilias Kassidiaris, um antigo alto membro do grupo neonazi Aurora Dourada, atualmente na prisão.

No domingo, a vitória esmagadora do partido de direita Nova Democracia (ND), de Kyriakos Mitsotakis (40,56%) foi também marcada pela entrada no parlamento de três partidos nacionalistas e de extrema-direita, incluindo "Os Espartanos".

"Ficou provado que as numerosas formações não significam uma polifonia democrática, mas sim uma cacofonia política", disse Mitsotakis.

Depois de vencer as primeiras eleições, a 21 de maio, o líder da ND convocou novas eleições por não ter conseguido obter a maioria absoluta devido a uma lei eleitoral aprovada pelo anterior Governo de esquerda (2015-2019) e baseada na representação proporcional simples.

Mitsotakis descreveu a lei como "uma experiência negativa com consequências extremamente negativas".

Nas eleições de 25 de junho, a ND obteve 158 lugares no parlamento graças a um sistema eleitoral diferente que concedeu um "bónus" de 50 lugares ao partido líder.

O principal opositor, o partido de esquerda Syriza, de Alexis Tsipras, segundo maior partido do país, sofreu uma derrota esmagadora, com 17,83% dos votos e 48 lugares.

O quinto maior partido no parlamento -- depois dos socialistas Pasok-Kinal (11,84%) e dos comunistas KKE (7,69%) -- é os Espartanos (4,63%), seguido do nacionalista Greek Solution (4,44%) e do Niki (Vitória, em grego), um partido cristão fundamentalista xenófobo (3,69%).

Estes três pequenos partidos obtiveram um total de 12,76% dos votos.

Segundo os analistas, com a vitória da ND, o parlamento grego regista a maior viragem à direita desde a restauração da democracia em 1974.

Leia Também: Giorgia Meloni pede empenhamento da UE contra tráfico de migrantes

Recomendados para si

;
Campo obrigatório