Meteorologia

  • 29 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Cabo Verde já vacinou todas as meninas dos 10 aos 14 anos contra HPV

Cabo Verde já vacinou todas as meninas de 10 aos 14 anos contra o vírus do papiloma humano (HPV), conforme objetivo traçado em 2021 e 98% das bebés com 12 meses contra a febre amarela, segundo dados oficiais.

Cabo Verde já vacinou todas as meninas dos 10 aos 14 anos contra HPV
Notícias ao Minuto

20:21 - 27/06/23 por Lusa

Mundo HPV

De acordo com dados do Programa Alargado de Vacinação da Direção Nacional da Saúde de Cabo Verde, avançados hoje à Lusa pelo Ministério da Saúde, no dia em que o Brasil entregou a Cabo Verde 80 mil doses de vacinas, contra o HPV e contra a febre amarela, o país atingiu em 2022 "uma taxa de cobertura vacinal contra o HPV de 104,7%" em meninas dos 10 aos 14 anos.

Esta taxa de cobertura, acima de 100%, é justificada por um número de meninas vacinadas nesta faixa etária, alvo deste programação de vacinação, superior à estimativa de 2021 e pelo facto de meninas que ainda não completaram os 10 anos também já terem sido vacinadas, sendo este um processo que, segundo o Ministério da Saúde, vai continuar.

Segundo os mesmos dados, o país tem uma taxa de vacinação para febre amarela de 98% para bebés "aos 12 meses de idade, em 2022", sendo que também é administrada para viajantes que vão para países endémicos.

A ministra da Saúde, Filomena Gonçalves, na cerimónia de entrega simbólica da doação de vacinas pelo Brasil, que decorreu na Praia, afirmou que estas são "doenças de grande preocupação" para a saúde pública em todo o mundo e que a vacinação é uma das estratégias mais eficazes para prevenir e controlar essas enfermidades.

"A oferta dessas vacinas é um passo significativo no fortalecimento do nosso programa de imunização. Elas oferecerão proteção vital para as pessoas de Cabo Verde e ajudarão a reduzir a incidência dessas doenças no povo das ilhas. Além do impacto direto na saúde das pessoas, esta oferta terá efeitos positivos abrangentes na nossa sociedade", destacou Filomena Gonçalves.

"Isso também alivia a pressão sobre os serviços públicos de saúde, permitindo que eles se concentrem em outras áreas críticas e atendam a outros desafios de saúde pública. A colaboração entre Cabo Verde e o Brasil não é apenas um exemplo de solidariedade, mas também de parceria estratégica e diplomática", acrescentou.

Na mesma ocasião, o embaixador do Brasil em Cabo Verde, Coubert Soares Pinto, transmitiu a "imensa satisfação" de formalizar o ato simbólico da entrega ao Governo do cabo-verdiano desta doação humanitária de 50 mil doses da vacina contra o HPV e 30 mil doses da vacina contra a febre amarela, que chegaram à Praia no domingo.

"Em nome do Governo brasileiro, expresso o desejo de que essa doação contribua para reforçar o sistema de saúde cabo-verdiano e que seja recebida como expressão da profunda amizade que une as nossas nações", salientou.

O HPV, transmitido por contacto sexual, é responsável por 70% dos casos de cancro do colo do útero registados em todo o mundo, tendo o Governo cabo-verdiano iniciado a vacinação das meninas nascidas em 2011 em agosto de 2021.

O objetivo da primeira fase passava por vacinar cerca de 4.900 meninas em todo o país, prevendo o alargamento posterior da faixa etária, para chegar até aos 13 anos, num programa suportado pelo Orçamento do Estado.

Leia Também: Brasil dá 80 mil doses de vacinas contra HPV e febre amarela a Cabo Verde

Recomendados para si

;
Campo obrigatório