Meteorologia

  • 29 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Proposta da UE para acordo com Mercosul "não foi bem recebida"

O alto representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, afirmou hoje que a proposta de anexo ambiental ao acordo de associação negociado com o Mercosul não foi bem recebido pelos países do bloco sul-americano.

Proposta da UE para acordo com Mercosul "não foi bem recebida"
Notícias ao Minuto

18:06 - 27/06/23 por Lusa

Mundo União Europeia

"Foi apresentado um protocolo adicional que não reabre o acordo, mas complementa-o para ter em conta as preocupações ambientais de vários países europeus", afirmou Borrell perante a Comissão dos Assuntos Externos do Parlamento Europeu.

"Este protocolo adicional não foi bem recebido pelos colegas latino-americanos", disse o alto representante, que garantiu: "Não temos uma resposta concreta da parte deles" sobre o motivo.

O chefe da diplomacia da UE indicou que diferentes países da UE estavam a pedir que o acordo de associação com o Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai), cuja negociação foi encerrada após 20 anos de trabalho, em 2019, "seja concluído com garantias de preservação da massa florestal".

O documento inclui ainda "outras preocupações ambientais numa parte do mundo que é uma grande potência ambiental".

Por outro lado, Borrell afirmou que, quatro anos após a conclusão do texto do acordo, "as coisas continuam mais ou menos como estão, se não piores".

O político espanhol fez eco da recente visita do Presidente do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva, a Paris, onde "de uma forma muito clara, rejeitou esta abordagem, considerando-a uma ameaça", disse, referindo-se à posição europeia.

Durante o seu discurso no encerramento da Cimeira para um Novo Pacto Financeiro Global na capital francesa, no sábado, Lula da Silva afirmou: "Peço uma resposta, como é que se pode ter uma parceria estratégica com ameaças que são feitas contra parceiros estratégicos?".

Por outro lado, Borrell sublinhou que "as reticências na Europa, em alguns países, continuam a ser fortes".

"Do lado latino-americano, há alguns países que nos fizeram notar que, desde o acordo de 2019, nós, europeus, mudámos o tabuleiro do jogo", acrescentou.

E prosseguiu: "Entre uma parte e outra, existem ainda algumas dificuldades importantes que, francamente, não creio que venham a ser resolvidas até à cimeira" entre a UE e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e das Caraíbas (CELAC), que se realizará em 17 e 18 de julho em Bruxelas.

Em todo o caso, na opinião de Borrell, "isso não significa que a cimeira deva abandonar a tentativa de avançar nesta questão, sabendo que não é o fim, mas (que) também não deve ser o fim", concluiu.

Leia Também: Cravinho desdramatiza críticas de Lula a acordo com Mercosul

Recomendados para si

;
Campo obrigatório