Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
34º
MIN 18º MÁX 37º

"Prigozhin humilhou Putin e mostrou que não há monopólio da violência"

Um conselheiro da Presidência ucraniana defendeu hoje que o dirigente do grupo paramilitar Wagner, Yevgueni Prigozhin, "humilhou [o Presidente russo, Vladimir] Putin" ao liderar com os seus homens uma rebelião armada contra Moscovo.

"Prigozhin humilhou Putin e mostrou que não há monopólio da violência"
Notícias ao Minuto

22:59 - 24/06/23 por Lusa

Mundo Mykhailo Podolyak

O comentário de Mykhailo Podolyak, conselheiro do Presidente da República ucraniano, Volodymyr Zelensky, surgiu depois de alcançado um acordo entre o Kremlin e o grupo Wagner, com mediação do Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, após uma jornada de insurreição que abalou o poder russo.

"Prigozhin humilhou Putin/o Estado e mostrou que já não existe monopólio da violência" legítima na Rússia, escreveu Mykhailo Podolyak na rede social Twitter.

O líder do grupo de mercenários russo Wagner suspendeu ao fim da tarde as movimentações da rebelião na Rússia contra o comando militar, menos de 24 horas após ter ocupado Rostov, cidade estratégica para a guerra na Ucrânia, situada no sudoeste do país.

Putin classificou como rebelião a ação do grupo e afirmou tratar-se de uma "ameaça mortal" ao Estado russo e de uma traição, garantindo que não iria deixar acontecer uma "guerra civil" e que os responsáveis pagariam por isso.

Ao fim do dia em que foi notícia o avanço de forças do grupo Wagner até cerca de 200 quilómetros de Moscovo, Prigozhin anunciou ter negociado um acordo com o Presidente bielorrusso,

Antes, o dirigente do grupo paramilitar acusara o Exército russo de atacar acampamentos dos seus mercenários, causando "um número muito grande de vítimas", acusações que expõem profundas tensões dentro das forças de Moscovo em relação à ofensiva na Ucrânia.

Leia Também: Rebelião abortada "não vai afetar a intervenção militar" na Ucrânia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório