Meteorologia

  • 21 MAIO 2024
Tempo
20º
MIN 13º MÁX 20º

OceanGate avisada de que expedição podia ter problemas "catastróficos"

Especialistas dentro e fora da empresa alertaram para os perigos potenciais e instaram a empresa a passar por um processo de certificação.

OceanGate avisada de que expedição podia ter problemas "catastróficos"

Anos antes da embarcação submersível da OceanGate desaparecer no Oceano Atlântico com cinco pessoas a bordo, já havia preocupações a respeito de um acidente deste género.

Segundo o The Telegraph, especialistas da indústria de submersíveis avisaram o CEO da OceanGate que a expedição poderia vir a ter vários, problemas “desde pequenos a catastróficos”.

Em janeiro de 2018, de acordo com documentos judiciais aos quais o jornal teve acesso, o diretor de operações marítimas da OceanGate, David Lochridge, começou a trabalhar num relatório contundente no qual dizia que a embarcação precisava de mais testes e enfatizava “os perigos potenciais para os passageiros do Titan" a "profundidades extremas.”

Dois meses depois, a OceanGate recebeu opiniões semelhantes de dezenas de pessoas - líderes da indústria, exploradores de águas profundas e oceanógrafos - que alertaram, numa carta ao CEO, Stockton Rush, que a abordagem "experimental" da empresa e a sua decisão de abrir mão de uma avaliação tradicional pode levar a problemas potencialmente “catastróficos” com a missão aos destroços do Titanic.

De acordo com o jornal, a empresa recusou realizar um processo de revisão e certificação proposto pelos especialistas que alertaram para os potenciais perigos. Mais ainda, o OceanGate terá estado envolvida num processo judicial - nesse mesmo ano - com um antigo funcionário, por alegados problemas de segurança.

O submersível tinha uma reserva de oxigénio de quatro dias quando se fez ao mar, na manhã de domingo, segundo David Concannon, conselheiro da OceanGate Expeditions, que supervisionou a missão.

A comunicação perdeu-se quando a embarcação estava a cerca de 700 quilómetros a sul de São João da Terra Nova, segundo o Centro de Coordenação de Salvamento Conjunto do Canadá, citado pela agência de notícias norte-americana Associated Press.

Na terça-feira, a França anunciou que o instituto Ifremer de ciências oceânicas enviou um navio, o Atalante, equipado com um robô subaquático, o Victor 6.000, para procurar o submersível.

O Victor 6.000 deve chegar ao seu destino hoje e mergulhar até uma profundidade de cerca de 4.000 metros para realizar operações de busca.

Os restos do Titanic - que afundou após colidir com um iceberg, em 1912 - estão a uma profundidade de cerca de 3.800 metros e a uma distância de aproximadamente 640 quilómetros a sul da ilha canadiana de Newfoundland.

Leia Também: AO MINUTO: Detetados sons subaquáticos; Oxigénio acaba quinta de manhã

Recomendados para si

;
Campo obrigatório