Meteorologia

  • 14 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 26º

Polícia espanhola desmantela rede de venda ilegal de preservativos

No âmbito da intitulada 'Operação Capuz', as autoridades determinaram que os produtos em causa careciam de um controlo médico adequado - tanto na fase de fabrico, como de posterior prescrição. 

Polícia espanhola desmantela rede de venda ilegal de preservativos
Notícias ao Minuto

23:09 - 31/05/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Espanha

A Polícia Nacional de Espanha desmantelou, em Barcelona, um grupo especializado na venda ilegal de preservativos e medicamentos para a disfunção erétil por meio de aplicações de mensagens online.

No âmbito da intitulada 'Operação Capuz', as autoridades determinaram que os produtos careciam de um controlo médico adequado - tanto na fase de fabrico, como de posterior prescrição, reporta o El Mundo.

Foram detidas 10 pessoas, de origem chinesa, que faziam parte de um grupo criminoso altamente especializado e profissional, cujos membros recorriam a várias medidas tecnológicas de segurança para evitar serem detetados.

Segundo os investigadores, os detidos terão contactado mulheres que se dedicavam à prostituição, retirando os seus contactos de páginas na internet onde anunciavam os seus serviços, e ofereceram-lhes preservativos e medicamentos.

Em duas buscas domiciliárias, a polícia apreendeu 50 aparelhos eletrónicos, 20 mil unidades de preservativos de diferentes marcas, milhares de unidades de medicamentos para a disfunção erétil de origem chinesa, japonesa, indiana e americana, e mais de 15.500 euros em dinheiro.

A operação deu-se no seguimento da queixa feita por uma cliente à empresa de entregas responsável pelo transporte dos preservativos - na qual destacava a má qualidade do produto. Essa empresa, depois, reportou o facto às autoridades competentes, por via do seu delegado de segurança.

Os investigadores verificaram a existência de uma multiplicidade de compradores no país e descobriram, além disso, que a maioria dos clientes eram mulheres envolvidas na prostituição.

Vieram, depois, a obter informações mais pormenorizadas sobre os anúncios e as formas de contacto a que os criminosos recorriam, com a polícia a concluir que os produtos eram transacionados por meio de aplicações de mensagens instantâneas.

As vítimas forneceram amostras dos preservativos que foram depois endereçados tanto à Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS), como à empresa que distribui a conhecida marca de preservativos em Espanha. O relatório dos peritos concluiu que os produtos não cumpriam os requisitos para serem comercializados no país e que, por conseguinte, não se podia garantir que ofereciam um nível de proteção adequado. 

O distribuidor alegou que se tratava de uma contrafação evidente, uma vez que a data de validade não correspondia ao número do lote, os preservativos apresentavam bordos pouco nítidos e a tipografia não apresentava a marca original.

Leia Também: Cisnes bebés resgatados após a mãe ter sido cozinhada em Nova Iorque

Recomendados para si

;
Campo obrigatório