Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
22º
MIN 17º MÁX 25º

Ativista feminista saudita detida por publicações críticas ao reino

Manahel al-Otaibi é conhecida por lutar pelo empoderamento feminino na Arábia Saudita, um país que, apesar dos vários esforços em melhorar a sua imagem a nível diplomático, tem sido regularmente acusado de atacar direitos e liberdades fundamentais.

Ativista feminista saudita detida por publicações críticas ao reino
Notícias ao Minuto

22:43 - 30/05/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Arábia Saudita

Uma ativista feminista na Arábia Saudita foi detida e presa por publicar conteúdos nas redes sociais que promovem reformas sociais e, ao mesmo tempo, por exigir mais direitos para as mulheres no reino saudita.

Manahel al-Otaibi, de 29 anos, é uma instrutora de fitness e uma artista, que usa o Twitter e o Snapchat para promover o empoderamento feminino das mulheres do país, que têm visto avanços muito lentos nos seus direitos - recorde-se que apenas nos últimos anos é que a Arábia Saudita permitiu que as mulheres votassem, conduzissem e participassem em provas desportivas internacionais.

Al-Otaibi já tinha sido detida em novembro de 2022, acusada pelas autoridades do reino saudita, liderado pelo príncipe Mohammad bin Salman, de pedir o fim das leis que colocam o homem como 'chefe da casa' e responsável máximo por vários aspetos da vida da mulher.

Segundo o The Guardian, não se sabe ainda a acusação em concreto que foi aplicada desta vez, mas o jornal refere que, tendo em conta exigências anteriores, a ativista poderá ser acusada de sedição.

Este é mais um marco na política questionável de direitos humanos na Arábia Saudita, um país que, enquanto tenta apresentar-se ao mundo como uma nação liberal - criando vários acordos de eventos desportivos, feiras internacionais e outras comemorações para promover o reino -, é também responsável por alguns dos ataques aos direitos humanos mais duros.

Recentemente, as autoridades têm apertado com ativistas que usam redes sociais para pedir mais progresso social. Salma al-Shehab, outra ativista, foi condenada a 30 anos de terrorismo recentemente, acusada de terrorismo por promover dissidência no Twitter.

Manahel al-Otaibi faz parte de um grupo de várias jovens mulheres progressistas, que usam redes sociais para promover atividade desportiva, arte, yoga, enquanto usam roupas menos conservadoras num país onde a indumentária é vista com maior rigor.

Aliás, uma das acusações que o The Guardian cita, e que foi avançada pelas autoridades religiosas à imprensa local, refere que al-Otaibi foi detida por não usar roupas "decentes". Também a irmã da ativista, Fouz al-Otaibi, já tinha sido presa pela mesma razão, mas conseguiu fugir do país. 

Leia Também: Arábia Saudita executa suspeito de espionagem, elevando para 23 este ano

Recomendados para si

;
Campo obrigatório