Meteorologia

  • 20 JULHO 2024
Tempo
22º
MIN 20º MÁX 28º

ONU condena "uso desproporcionado da força pela polícia" na RDCongo

As Nações Unidas condenaram hoje o "uso desproporcionado da força pela polícia" no sábado, em Kinshasa, durante uma manifestação da oposição, cujo candidato denunciou uma "deriva ditatorial" após ter sido impedido de se deslocar ao oeste do país.

ONU condena "uso desproporcionado da força pela polícia" na RDCongo
Notícias ao Minuto

19:08 - 23/05/23 por Lusa

Mundo Kinshasa

A sete meses de uma eleição presidencial que promete ser tensa, a Conferência Episcopal Congolesa (Cenco) condenou na segunda-feira a "repressão desprezível e selvagem que as forças da ordem e as milícias suas cúmplices infligiram no dia 20 de maio aos manifestantes, incluindo os menores encontrados no seu caminho".

A União Europeia também condenou o que classificou como "repressão violenta" e os Estados Unidos da América manifestaram a sua "preocupação" com os "indícios de uso desproporcionado da força pelas forças de segurança" da República Democrática do Congo (RDCongo).

A Missão das Nações Unidas na RDCongo (Monusco) também condenou "o uso desproporcionado da força pela polícia", tendo ainda saudado a "detenção dos agentes da polícia envolvidos no incidente contra um menor" e apelou às autoridades "para que respeitem o direito à liberdade de reunião e de manifestação pacífica".

Entretanto, a candidatura de Moïse Katumbi, um dos candidatos presidenciais da oposição, lamentou o facto de ter sido impedido hoje de se deslocar à província do Kongo Central (oeste), que tinha previsto visitar até ao final da semana.

Alegando razões de segurança, o governador da província tinha pedido ao candidato, na noite de segunda-feira, segundo a sua equipa, que adiasse as suas atividades por dois dias e as limitasse a um único local.

"Dissemos à polícia que não faríamos qualquer manifestação pública durante 48 horas", revelou à imprensa Olivier Kamitatu, porta-voz de Moses Katumbi.

Apesar desta garantia, a polícia não autorizou a passagem da caravana do candidato, que teve de dar meia volta e regressar a Kinshasa.

"Ninguém pode impedir um cidadão, seja ele quem for, de circular livremente no seu país... a República Democrática do Congo não é propriedade privada", afirmou o porta-voz. Este episódio "elimina as últimas dúvidas que ainda poderiam existir sobre a deriva ditatorial em que estamos mergulhados", acusou.

A oposição está a planear uma nova manifestação na quinta-feira em Kinshasa, em frente à sede da Comissão Eleitoral Nacional.

As eleições presidenciais estão marcadas para 20 de dezembro e Felix Tshisekedi, no poder desde 2019, é candidato à reeleição.

Leia Também: Novo comandante da força da CEA na RDCongo defende manutenção da missão

Recomendados para si

;
Campo obrigatório