Meteorologia

  • 19 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 21º

Ucrânia conseguiu ultrapassar "período mais difícil do inverno"

O diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM) considerou que houve condições para que os ucranianos "ultrapassassem o período mais difícil do inverno", apesar dos obstáculos e da incerteza com a invasão russa.

Ucrânia conseguiu ultrapassar "período mais difícil do inverno"
Notícias ao Minuto

10:24 - 29/03/23 por Lusa

Mundo OIM

"A situação na Ucrânia mantém-se caracterizada por uma grande incerteza em virtude da evolução da situação da guerra. As boas notícias são que durante o inverno foi possível criar condições - apesar de todos os obstáculos, designadamente a falta de acesso a eletricidade - para que as comunidades na Ucrânia ultrapassassem o período mais difícil do inverno", disse à Lusa António Vitorino.

Contudo, e apesar do fim do inverno, o português frisou que se colocam agora questões de outra natureza, como a reconstrução ou o apoio contínuo às pessoas internamente deslocadas, que continuam a "necessitar de tudo".

"Estamos a falar de 5,4 milhões de pessoas deslocadas internamente. Mesmo aquelas que regressam aos lugares de origem necessitam de apoio alimentar, de acesso à água, de roupas e também de apoio financeiro para poderem viver. Em segundo lugar, a nossa preocupação é também criar as condições para aqueles que regressam para reconstruírem as suas vidas", indicou.

"E isso implica reconstruir o país que ficou destruído pelo conflito, designadamente as instalações coletivas, a distribuição da energia ou da água, mas também as escolas e locais de trabalho. Pôr a funcionar um conjunto de pequenas e médias empresas que podem criar emprego. Isso é essencial para retomar a vida quotidiana na Ucrânia", salientou o líder da OIM.

Ao ordenar a invasão da Ucrânia a 24 de fevereiro de 2022, o Presidente russo, Vladimir Putin, desencadeou uma guerra que fez, num ano, dezenas de milhares de mortos, devastou cidades e afundou a economia do país.

Após o desenrolar do conflito, uma maiores preocupações da comunidade internacional tem sido a deslocação forçada de crianças ucranianas para a Rússia.

Nesse sentido, a presidente da Comissão Europeia anunciou na semana passada uma iniciativa conjunta com o primeiro-ministro da Polónia e com o apoio das Nações Unidas, para resgatar as mais de 16.000 crianças raptadas pela Federação Russa.

Questionado sobre se a OIM poderá apoiar esses esforços, António Vitorino afirmou que apoia a decisão tomada pelas Nações Unidas no sentido de se juntar à Comissão Europeia e à Polónia para exigir o regresso dessas crianças, mas observou que a sua organização não tem acesso aos ucranianos que estão em território russo.

"Portanto, o nosso apoio é um apoio de sustentação da reivindicação e do pedido feito às autoridades russas", frisou.

Leia Também: AO MINUTO: Suécia convoca embaixador russo; Grossi em Zaporíjia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório