Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 25º

Netanyahu anuncia pausa na reforma judicial e acalma tensões em Israel

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, anunciou hoje uma pausa no processo de aprovação da reforma do sistema judicial e principal sindicato decreta fim de greve geral.

Netanyahu anuncia pausa na reforma judicial e acalma tensões em Israel
Notícias ao Minuto

19:27 - 27/03/23 por Lusa

Mundo Israel

Num discurso ao país, após consultas políticas com alguns parceiros da coligação governamental, Netanyahu anunciou que a adoção final dos vários projetos de reforma foi adiada para a próxima sessão parlamentar, que deverá acontecer após as celebrações da Páscoa (5 a 13 de abril).

Com esta decisão, o primeiro-ministro cede, em parte às exigências dos adversários políticos, mas também faz concessões aos seus parceiros de coligação, alguns dos quais se manifestaram desagradados com a intransigência do Governo sobre esta matéria.

Em reação ao anúncio de Netanyahu, a Histadrut, principal central sindical israelita, já anunciou o fim da greve geral decretada, que tinha o objetivo de contestar a polémica reforma da justiça.

"Após o anúncio do primeiro-ministro, declaro o fim da greve anunciada", disse o líder do Histadrut, Arnon Bar David, num comunicado.

O Presidente de Israel, Isaac Herzog, já aplaudiu o anúncio do primeiro-ministro, dizendo que esta é a hora para "uma discussão franca, séria e responsável, para acalmar os espíritos e as tensões".

No discurso televisionado, o primeiro-ministro disse esperar que esta pausa no processo legislativo seja um momento de diálogo aberto.

"Quando há uma oportunidade de evitar a guerra civil por meio do diálogo, eu, como primeiro-ministro, estou a dar tempo ao diálogo", explicou Netanyahu.

Adotando um tom mais conciliador do que em discursos anteriores, o primeiro-ministro israelita disse estar determinado a aprovar uma reforma judicial, mas pediu "uma tentativa para alcançar um amplo consenso".

A polémica reforma judicial prevê o reforço do poder ao Executivo em detrimento do sistema judicial, cuja independência ficaria comprometida.

Leia Também: Mais de 100 mil concentram-se contra reforma judicial em Israel

Recomendados para si

;
Campo obrigatório