Meteorologia

  • 19 MAIO 2024
Tempo
18º
MIN 12º MÁX 21º

NATO diz que a Rússia pediu à China "armas letais" para combater

O líder da NATO considerou que a "China não deveria fornecer ajudar letal à Rússia, pois tal equivaleria a apoiar uma guerra ilegal".

NATO diz que a Rússia pediu à China "armas letais" para combater

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse esta terça-feira, em declarações aos repórteres em Bruxelas, que a aliança acredita que Moscovo pediu a Pequim "armas letais", com vista a reforçar o seu esforço militar na Ucrânia, reporta a Sky News.

"Não tivemos acesso a quaisquer provas que mostrem que a China esteja a fornecer armas letais à Rússia, mas vimos alguns sinais de que tal foi um pedido feito pela Rússia, e esse é um assunto que está a ser considerado por parte das autoridades chinesas", avançou Stoltenberg, numa altura em que os presidentes de ambos os países, Xi Jinping e Vladimir Putin, estão reunidos em Moscovo.

O líder da NATO considerou, ainda, que a "China não deveria fornecer ajudar letal à Rússia, pois tal equivaleria a apoiar uma guerra ilegal".

De recordar que os presidentes da Rússia e da China estão, esta terça-feira, em conversações no Kremlin, no contexto de um encontro formal que estava já agendado.

Já ontem, segunda-feira, os dois governantes estiveram igualmente reunidos, tendo sido, nesse momento, discutido o plano de paz proposto pela China para a Ucrânia. Em causa está uma proposta de 12 pontos que pede uma desescalada do conflito e para um eventual cessar-fogo no país invadido pela Rússia.

Para além do tema do conflito no leste europeu, esta é uma visita que pretende, ainda, refletir um "aprofundamento da amizade" entre ambos os países - tendo resultado ainda num convite, feito por Xi Jinping, para que Vladimir Putin visite a China ainda este ano.

Desde o início da guerra, que se iniciou a 24 de fevereiro do ano passado, os países da NATO e da União Europeia apressaram-se a disponibilizar apoio financeiro, militar e humanitário para ajudar a Ucrânia a fazer face à invasão da Rússia. O país invasor, por outro lado, foi alvo de pacotes de sanções consecutivos (e concertados) aplicados pelos parceiros de Kyiv.

Até agora, mais de 8 mil civis já morreram, ao passo que mais de 13 mil ficaram feridos na sequência dos combates no terreno, segundo os cálculos da Organização das Nações Unidas (ONU).

Leia Também: Ucrânia estima mais de 166 mil militares russos mortos durante a guerra

Recomendados para si

;
Campo obrigatório