Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
25º
MIN 13º MÁX 25º

Jornal aponta laços com Rússia como "exemplo" de novo tipo de relação

Um jornal oficial do Partido Comunista Chinês apontou hoje os laços sino-russos como "exemplo vivo de sucesso" de um novo tipo de relações internacionais, que "exclui a formação de alianças ou confrontação" com terceiras partes.

Jornal aponta laços com Rússia como "exemplo" de novo tipo de relação
Notícias ao Minuto

07:48 - 21/03/23 por Lusa

Mundo rússia/china

Em editorial, o Global Times, jornal de língua inglesa do grupo do Diário do Povo, o órgão central do Partido Comunista Chinês, destacou o "enorme valor" da relação entre Pequim e Moscovo, face à "confrontação entre blocos" e à "nova tempestade de uma Guerra Fria impulsionada pelos Estados Unidos".

A relação sino-russa "ultrapassa completamente" as "pequenas cliques formadas por divisões ideológicas e grupos de países ocidentais" e "transcende os antigos paradigmas de divisão de poder, troca de interesses e relações entre dominador/submisso".

O Presidente chinês, Xi Jinping, iniciou na segunda-feira uma visita de Estado de três dias a Moscovo, onde se reúne hoje com o homólogo russo, Vladimir Putin.

A deslocação surge num período de crescente isolamento de Putin no cenário internacional, desde o início da guerra na Ucrânia, e em que Xi, o líder chinês mais forte das últimas décadas, tenta projetar uma imagem de estadista global, à medida que reclama para a China um "papel central" na governação das questões internacionais.

Em particular, o líder chinês avançou com a Iniciativa de Segurança Global, que visa construir uma "arquitetura global e regional de segurança equilibrada, eficaz e sustentável", ao "abandonar as teorias de segurança geopolíticas ocidentais".

A China considera a parceria com a Rússia fundamental para contrapor a ordem democrática liberal, numa altura em que a relação com os Estados Unidos atravessa também um período de grande tensão, marcada por disputas em torno do comércio e tecnologia ou diferendos em questões de Direitos Humanos, o estatuto de Hong Kong ou Taiwan e a soberania dos mares do Sul e do Leste da China.

"Uma vez que a China e a Rússia se dão bem, outros países também podem fazer o mesmo", destacou o Global Times. "Pode-se imaginar que, quanto mais países construírem um novo tipo de relações internacionais, mais pacífico o mundo se tornará", lê-se no editorial.

O jornal afirmou que, "por outro lado, os preconceitos, a obsessão ideológica e o egoísmo geopolítico que existem [nas relações] entre países constituem obstáculos para alcançar o estado ideal das relações internacionais".

O jornal acusou ainda "alguma opinião pública" nos EUA e no Ocidente de "pequenez de espírito", ao "exagerarem maliciosamente" as "trocas normais entre China e Rússia", tentando "distorce-las como uma espécie de má conduta".

A China voltou a negar, na segunda-feira, que tencione fornecer armamento à Rússia, depois de a imprensa norte-americana ter indicado que Pequim está a considerar enviar artilharia e munições para Moscovo.

O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, afirmou que "não é a China" que fornece armas, mas sim os Estados Unidos, e aconselhou Washington a "parar de colocar lenha na fogueira e apontar o dedo a outros países e coagi-los".

Sobre o impacto que a visita pode ter no conflito na Ucrânia, o Global Times limitou-se a apontar que China e Rússia "traçaram um caminho para coexistir como vizinhos amigáveis e potências mundiais com confiança mútua estratégica".

A visita de Xi Jinping à Rússia segue o anúncio surpresa do reestabelecimento das relações diplomáticas entre o Irão e a Arábia Saudita, após uma reunião, em Pequim, numa vitória diplomática para o líder chinês.

Num plano para a paz, proposto no final de fevereiro, Pequim destacou a importância de "respeitar a soberania de todos os países", numa referência à Ucrânia, mas apelou também ao fim da "mentalidade da Guerra Fria", numa crítica implícita ao alargamento da NATO. A China pediu ainda o fim das sanções ocidentais impostas à Rússia.

Mas, mesmo a imprensa estatal chinesa minimizou as perspetivas de a visita de Xi, e o esperado telefonema entre o Presidente chinês e o homólogo da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, resultarem num cessar-fogo ou negociações para a paz, notando que, após um ano de guerra, o abismo entre Moscovo e Kyiv é muito maior do que entre Riade e Teerão.

Leia Também: Xi Jinping diz a Putin que "maioria dos países apoia alívio das tensões"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório