Meteorologia

  • 30 SETEMBRO 2023
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Deputados italianos denunciaram há 2 anos atividades do grupo Wagner

O ministro do Desenvolvimento Económico italiano, Adolfo Urso, disse hoje que a Comissão Parlamentar de Segurança da República alertou há dois anos para o papel do grupo paramilitar russo Wagner na crise migratória que assolou o país.

Deputados italianos denunciaram há 2 anos atividades do grupo Wagner

Adolfo Urso, que intervinha numa conferência sobre o 'soft power' de Itália, confessou-se pasmado com os que agora se manifestam surpreendidos com o papel do grupo Wagner na instrumentação da crise migratória em direção a Itália.

"Pasmo que algumas pessoas fiquem surpreendidas com o que a Wagner está a fazer em África desde há já dois anos. A Copasir [Comissão Parlamentar de Segurança da República] tinha alertado o parlamento em relatórios oficiais, após informações confidenciais sobre a ação da Rússia na Europa", afirmou.

A afirmação de Adolfo urso foi feita um dia depois dos ministros dos Negócios Estrangeiros, Antonio Tajan, e da Defesa, Guido Crosetto terem denunciado as atividades do grupo Wagner em vários países africanos.

As acusações de Antonio Tajani e Guido Crosetto já foram rejeitadas pelo líder do grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin.

Crosetto tinha dito que as saídas dos migrantes para Itália eram devidas, pelo menos em parte, à estratégia desenvolvida pelo Wagner em vários países africanos.

O grupo Wagner, que tem estado em destaque noticioso pelo seu envolvimento na invasão russa da Ucrânia, está ativo em países africanos, como Mali, República Centro-Africana, Sudão, Síria e Líbia, onde está a apoiar o homem forte do leste, o general Khalifa Haftar.

"Parece-me que é seguro dizer que o aumento exponencial do fenómeno migratório proveniente das costas africanas é também, em dimensão significativa, parte de uma estratégia clara da guerra híbrida que o Wagner, mercenários pagos pela Federação Russa, está a realizar, usando o seu peso considerável em alguns países africanos", disse Crosetto.

Prigozhin contestou as acusações e, em relação, a Crosetto disse que este "deveria tratar dos seus próprios problemas, que provavelmente não está a conseguir resolver, em vez de olhar para outras direções" e classificou-o mesmo como um 'mudak', palavra russa, que significa testículo, e que é usada para designar alguém de forma insultuosa.

Leia Também: Migrações. Mais de 5.000 juntaram-se em Cutro pedindo "parem o massacre"

Todas as Notícias. Ao Minuto.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recomendados para si

;
Campo obrigatório